Anelo

Print Friendly, PDF & Email

Anelo (Johann Wofgang von Goethe)

Tradução de Manuel Bandeira

Só aos sábios o reveles
Pois o vulgo zomba logo:
Quero louvar o vivente
Que aspira à morte no fogo

Na noite – em que te geraram,
Em que geraste – sentiste,
Se calma a luz que alumiava,
Um desconforto bem triste.

Não sofres ficar nas trevas
Onde a sombra se condensa.
E te fascina o desejo
De comunhão mais intensa.

Não te detêm as distâncias,
Ó mariposa! E nas tardes,
Ávida de luz e chama,
Voa para a luz em que ardes.

“Morre e transmuta-te”: enquanto
Não cumpres esse destino,
És sobre a terra sombria
Qual sombrio peregrino.

Como vem da cana o sumo
Que os paladares adoça,
Flua assim da minha pena,
Flua o amor o quanto possa.

Publicações relacionadas

A Guerra A Guerra (Alberto Caeiro) A guerra que aflige com os seus esquadrões o M...
Último Soneto Último Soneto (Álvares de Azevedo) Já da noite o palor me cobre o rosto,...
Vício na fala Vício na fala (Oswald de Andrade) Para dizerem milho dizem mio Para melhor...
Preceito 08 Preceito 08 (Gregório de Matos) As culpas, que me dão nele, são, que em t...

Deixe uma resposta