Anelo

Print Friendly, PDF & Email

Anelo (Johann Wofgang von Goethe)

Tradução de Manuel Bandeira

Só aos sábios o reveles
Pois o vulgo zomba logo:
Quero louvar o vivente
Que aspira à morte no fogo

Na noite – em que te geraram,
Em que geraste – sentiste,
Se calma a luz que alumiava,
Um desconforto bem triste.

Não sofres ficar nas trevas
Onde a sombra se condensa.
E te fascina o desejo
De comunhão mais intensa.

Não te detêm as distâncias,
Ó mariposa! E nas tardes,
Ávida de luz e chama,
Voa para a luz em que ardes.

“Morre e transmuta-te”: enquanto
Não cumpres esse destino,
És sobre a terra sombria
Qual sombrio peregrino.

Como vem da cana o sumo
Que os paladares adoça,
Flua assim da minha pena,
Flua o amor o quanto possa.

Publicações relacionadas

Solte os cachorros Solte os cachorros - trechos do livro (Adélia Prado) " Pai que estais no céu ...
Sete poemas portugueses (3) Sete poemas portugueses (3) (Ferreira Gullar) Vagueio campos noturnos Muros...
Proverbios y cantares Proverbios y cantares (Antonio Machado) I Nunca perseguí la gloria ni ...
Relíquia intima Relíquia intima (Machado de Assis) Ilustríssimo, caro e velho amigo, Sab...

Deixe uma resposta