O Último Número

Print Friendly, PDF & Email

O Último Número (Augusto dos Anjos)

Hora da minha morte. Hirta, ao meu lado,
A idéia estertorava-se… No fundo
Do meu entendimento moribundo
jazia o último número cansado.

Era de vê-lo, imóvel, resignado,
Tragicamente de si mesmo oriundo,
Fora da sucessão, estranho ao mundo,
Com o reflexo fúnebre do Increado:

Bradei: — Que fazes ainda no meu crânio?
E o último número, atro e subterrâneo,
Parecia dizer-me: “É tarde, amigo!

Pois que a minha ontogênica Grandeza
Nunca vibrou em tua língua presa,
Não te abandono mais! Morro contigo!”

Publicações relacionadas

Antífona Antífona (Cruz e Souza) Ó Formas alvas, brancas, Formas claras De luares, de...
A legião dos úrias A legião dos úrias (Vinicius de Moraes Quando a meia-noite surge nas estradas...
Revelação Revelação (Augusto dos Anjos) I Escafandrista de insondado oceano Sou eu ...
Negro bembón Negro bembón (Nicolás Guillén) De Motivos de Son ...

Deixe uma resposta