O Morcego

Print Friendly, PDF & Email

O Morcego (Augusto dos Anjos)

Meia noite. Ao meu quarto me recolho.
Meu Deus! E este morcego! E, agora, vêde:
Na bruta ardência orgânica da sede,
Morde-me a goela ígneo e escaldante molho.
“Vou mandar levantar outra parede…”

— Digo. Ergo-me a tremer. Fecho o ferrolho
E olho o tecto. E vejo-o ainda, igual a um olho,
Circularmente sobre a minha rede!

Pego de um pau. Esforços faço. Chego
A tocá-lo. Minh’alma se concentra.
Que ventre produziu tão feio parto?!

A Consciência Humana é este morcego!
Por mais que a gente faça, à noite, ele entra
Imperceptivelmente em nosso quarto!

Publicações relacionadas

Um Renque de Árvores Um Renque de Árvores (Alberto Caeiro) ...
Outros Outros (Oscar Wilde) "uma coisa não se torna necessariamente verdadeira por a...
Felicidade clandestina (trecho... Felicidade clandestina(Clarice Lispecto) " Às vezes sentava-se na rede, bal...
O Meu Impossível O Meu Impossível (Florbela Espanca) Minh'alma ardente é uma fogueira acesa, ...

Deixe uma resposta