O Morcego

Print Friendly, PDF & Email

O Morcego (Augusto dos Anjos)

Meia noite. Ao meu quarto me recolho.
Meu Deus! E este morcego! E, agora, vêde:
Na bruta ardência orgânica da sede,
Morde-me a goela ígneo e escaldante molho.
“Vou mandar levantar outra parede…”

— Digo. Ergo-me a tremer. Fecho o ferrolho
E olho o tecto. E vejo-o ainda, igual a um olho,
Circularmente sobre a minha rede!

Pego de um pau. Esforços faço. Chego
A tocá-lo. Minh’alma se concentra.
Que ventre produziu tão feio parto?!

A Consciência Humana é este morcego!
Por mais que a gente faça, à noite, ele entra
Imperceptivelmente em nosso quarto!

Publicações relacionadas

Confusão Confusão (Federico Garcia Lorca) (In: "Suíte dos Esp...
Soledades I Soledades I (Antonio Machado) He andado muchos caminos, (Tenho andado mui...
El limonero El limonero (Antonio Machado) El limonero lánguido suspende una pálida rama...
Não me fechem as portas Não me fechem as portas (Walt Whitman) Não me fechem as portas, orgulhosas b...

Deixe uma resposta