Espelho

Print Friendly, PDF & Email

Espelho (Mário Quintana)

Por acaso, surpreendo-me no espelho:
Quem é esse que me olha e é tão mais velho que eu? (…)
Parece meu velho pai – que já morreu! (…)
Nosso olhar duro interroga:
“O que fizeste de mim?” Eu pai? Tu é que me invadiste.
Lentamente, ruga a ruga… Que importa!
Eu sou ainda aquele mesmo menino teimoso de sempre
E os teus planos enfim lá se foram por terra,
Mas sei que vi, um dia – a longa, a inútil guerra!
Vi sorrir nesses cansados olhos um orgulho triste…”

Publicações relacionadas

Vida obscura Vida obscura (Cruz e Souza) Ninguém sentiu o teu espasmo obscuro, Ó ser humi...
O poema do frade O poema do frade (Álvares de Azevedo) Fragmentos interligados Meu herói é ...
O poeta pede a seu amor que lh... O poeta pede a seu amor que lhe escreva (Federico Garcia Lorca) Amor de ...
Os Espelhos Os Espelhos (Jorge Luis Borges) Tradução Eu que senti o horror dos espelho...

Deixe uma resposta