Espelho

Print Friendly, PDF & Email

Espelho (Mário Quintana)

Por acaso, surpreendo-me no espelho:
Quem é esse que me olha e é tão mais velho que eu? (…)
Parece meu velho pai – que já morreu! (…)
Nosso olhar duro interroga:
“O que fizeste de mim?” Eu pai? Tu é que me invadiste.
Lentamente, ruga a ruga… Que importa!
Eu sou ainda aquele mesmo menino teimoso de sempre
E os teus planos enfim lá se foram por terra,
Mas sei que vi, um dia – a longa, a inútil guerra!
Vi sorrir nesses cansados olhos um orgulho triste…”

Publicações relacionadas

Poética Poética (Manuel Bandeira) Estou farto do lirismo comedido Do lirismo bem com...
Musa traviesa Musa traviesa (José Martí) Mi musa? Es un diablillo Contándolo, me inunda Co...
A sombra imagem minha A sombra imagem minha (Walt Whitman) A sombra imagem minha que para cá e par...
O editor O editor (Álvares de Azevedo) —A poesia transcrita é de Torquato, Desse pob...

Deixe uma resposta