Elogio do Revolucionário

Print Friendly, PDF & Email

Elogio do Revolucionário (Bertold Brecht)

Quando aumenta a repressão, muitos desanimam.
Mas a coragem dele aumenta.
Organiza sua luta pelo salário, pelo pão
e pela conquista do poder.
Interroga a propriedade:
De onde vens?
Pergunta a cada idéia:
Serves a quem?
Ali onde todos calam, ele fala
E onde reina a opressão e se acusa o destino,
ele cita os nomes.
À mesa onde ele se senta
se senta a insatisfação.
À comida sabe mal e a sala se torna estreita.
Aonde o vai a revolta
e de onde o expulsam
persiste a agitação.

Publicações relacionadas

Cien Sonetos de Amor – X... Cien Sonetos de Amor - XVII (Pablo Neruda) No te amo como si fueras rosa de s...
Um pai-nosso latino-americano Um pai-nosso latino-americano (Mario Benedetti) ...
A Canoa Fantástica A Canoa Fantástica (Castro Alves) PELAS SOMBRAS temerosas Onde vai esta cano...
Da Minha Aldeia Da Minha Aldeia (Alberto Caeiro) De...

Deixe uma resposta