O Coveiro

Print Friendly, PDF & Email

O Coveiro (Augusto dos Anjos)

Uma tarde de abril suave e pura
Visitava eu somente ao derradeiro
Lar; tinha ido ver a sepultura
De um ente caro, amigo verdadeiro.
Lá encontrei um pálido coveiro
Com a cabeça para o chão pendida;
Eu senti a minh’alma entristecida
E interroguei-o: “Eterno companheiro

Da morte, que matou-te o coração?”
Ele apontou para uma cruz no chão,
Ali jazia o seu amor primeiro!

Depois, tomando a enxada gravemente,
Balbuciou, sorrindo tristemente: –
“Ai! Foi por isso que me fiz coveiro!”

Publicações relacionadas

Que falta nesta cidade? Verdad... Que falta nesta cidade? Verdade (Gregório de Matos) Que falta nesta cidade?....
Minha Árvore Minha Árvore (Augusto dos Anjos) Olha: É um triângulo estéril de ínvia estrad...
A ponto de partir A ponto de partir (Ana Cristina Cesar) A ponto de partir, já sei que noss...
Ser Poeta Ser Poeta (Florbela Espanca) Do Livro Charneca em...

Deixe uma resposta