Piedade

Print Friendly, PDF & Email

Piedade (Cruz e Souza)

O coração de todo o ser humano
Foi concebido para ter piedade,
Para olhar e sentir com caridade
Ficar mais doce o eterno desengano.

Para da vida em cada rude oceano
Arrojar, através da imensidade,
Tábuas de salvação, de suavidade,
De consolo e de afeto soberano.

Sim! Que não ter um coração profundo
É os olhos fechar à dor do mundo,
ficar inútil nos amargos trilhos.

É como se o meu ser campadecido
Não tivesse um soluço comovido
Para sentir e para amar meus filhos!

.

Publicações relacionadas

Mãos Mãos (Augusto dos Anjos) Há mãos que fazem medo Feias agregações pentagonai...
Ao meu amigo Ao meu amigo/strong> (Mario Benedetti) Estou orgulhoso e feliz de ser seu am...
Chama e fumo Chama e fumo (Manuel Bandeira) Amor - chama e, depois, fumaça... Medita no ...
Homo Infimus Homo Infimus (Augusto dos Anjos) Homem, carne sem luz, criatura cega, Realid...

Deixe uma resposta