Piedade

Print Friendly, PDF & Email

Piedade (Cruz e Souza)

O coração de todo o ser humano
Foi concebido para ter piedade,
Para olhar e sentir com caridade
Ficar mais doce o eterno desengano.

Para da vida em cada rude oceano
Arrojar, através da imensidade,
Tábuas de salvação, de suavidade,
De consolo e de afeto soberano.

Sim! Que não ter um coração profundo
É os olhos fechar à dor do mundo,
ficar inútil nos amargos trilhos.

É como se o meu ser campadecido
Não tivesse um soluço comovido
Para sentir e para amar meus filhos!

.

Publicações relacionadas

Viagem de um vencido Viagem de um vencido (Augusto dos Anjos) Noite. Cruzes na estrada. Aves com f...
O poema do frade O poema do frade (Álvares de Azevedo) Fragmentos interligados Meu herói é ...
Visão da morte Visão da morte (Cruz e Souza) Olhos voltados para mim e abertos O...
Agregado infeliz de sangue e c... Agregado infeliz de sangue e cal... (Augusto dos Anjos) Consulto o Phtah-Hote...

Deixe uma resposta