Pouco a Pouco

Print Friendly, PDF & Email

Pouco a Pouco (Alberto Caeiro)

Pouco a pouco o campo se alarga e se doura.
A manhã extravia-se pelos irregulares da planície.
Sou alheio ao espetáculo que vejo: vejo-o,
É exterior a mim. Nenhum sentimento me liga a ele.
E é esse sentimento que me liga à manhã que aparece.

Publicações relacionadas

Canciones XXXVIII Canciones XXXVIII (Antonio Machado) Abril florecía frente a mi ventana. ...
Soma Soma (Arnaldo Antunes) mais que lento: parado mais que parado: morto mais...
Das utopias Das utopias (Mário Quintana) Se as coisas são inatingíveis... ora! não é m...
Evolução Evolução (Antero de Quental) de ...

Deixe uma resposta