Pouco a Pouco

Print Friendly, PDF & Email

Pouco a Pouco (Alberto Caeiro)

Pouco a pouco o campo se alarga e se doura.
A manhã extravia-se pelos irregulares da planície.
Sou alheio ao espetáculo que vejo: vejo-o,
É exterior a mim. Nenhum sentimento me liga a ele.
E é esse sentimento que me liga à manhã que aparece.

Publicações relacionadas

El viajero El viajero (Antonio Machado) Está en la sala familiar, sombría, y entre nos...
El juego en que andamos El juego en que andamos (Juan Gelman) Do livro "El juego...
Como eu te amo Como eu te amo (Gonçalves Dias) Como se ama o silêncio, a luz, o aroma, O or...
Navegadores Portugueses Navegar não é privilégio de nós, internautas. No...

Deixe uma resposta