Pouco a Pouco

Print Friendly, PDF & Email

Pouco a Pouco (Alberto Caeiro)

Pouco a pouco o campo se alarga e se doura.
A manhã extravia-se pelos irregulares da planície.
Sou alheio ao espetáculo que vejo: vejo-o,
É exterior a mim. Nenhum sentimento me liga a ele.
E é esse sentimento que me liga à manhã que aparece.

Publicações relacionadas

O descalabro a ócio e estrelas... O descalabro a ócio e estrelas... (Álvaro de Campos) O descalabro a ócio e es...
Poesia 1970 Poesia 1970 (Paulo Leminski) Tudo o que eu faço Alguém em mim que eu desprez...
A Rua dos Cataventos A Rua dos Cataventos (Mário Quintana) Da vez primeira em que me assassinaram,...
Pecadora Pecadora (Augusto dos Anjos) Arte ingrata! E conquanto, em desalento, A órb...

Deixe uma resposta