Siderações

Print Friendly, PDF & Email

Siderações (Cruz e Souza)

Para as Estrelas de cristais gelados
As ânsias e os desejos vão subindo,
Galgando azuis e siderais noivados
De nuvens brancas a amplidão vestindo…

Num cortejo de cânticos alados
Os arcanjos, as cítaras ferindo,
Passam, das vestes nos troféus prateados,
As asas de ouro finamente abrindo…

Dos etéreos turíbulos de neve
Claro incenso aromal, límpido e leve,
Ondas nevoentas de Visões levanta…

E as ânsias e os desejos infinitos
Vão com os arcanjos formulando ritos
Da Eternidade que nos Astros canta…

Publicações relacionadas

Para um estranho Para um estranho (Walt Whitman) Tradução de Oswaldino Marques Estranho q...
Já que me põem a tormento Já que me põem a tormento (Gregório de Matos) Já que me põem a tormento mur...
Memorándum Memorándum (Mario Benedetti) Uno llegar e incorporarse el día Dos respirar ...
A Atriz Eugênio Câmara A Atriz Eugênio Câmara (Castro Alves) No dia seguinte ao de uma vaia so...

Deixe uma resposta