Siderações

Print Friendly, PDF & Email

Siderações (Cruz e Souza)

Para as Estrelas de cristais gelados
As ânsias e os desejos vão subindo,
Galgando azuis e siderais noivados
De nuvens brancas a amplidão vestindo…

Num cortejo de cânticos alados
Os arcanjos, as cítaras ferindo,
Passam, das vestes nos troféus prateados,
As asas de ouro finamente abrindo…

Dos etéreos turíbulos de neve
Claro incenso aromal, límpido e leve,
Ondas nevoentas de Visões levanta…

E as ânsias e os desejos infinitos
Vão com os arcanjos formulando ritos
Da Eternidade que nos Astros canta…

Publicações relacionadas

Anoche cuando dormía Anoche cuando dormía (Antonio Machado) Anoche cuando dormía soñé, ¡bendita ...
Não me Importo com as Rimas Não me Importo com as Rimas (Alberto Caeiro) ...
Sobre la poesía Sobre la poesía (Juan Gelman) habría un par de cosas que decir/ que nadie l...
Pedrinhas na janela Pedrinhas na janela (Mario Benedetti) Do liv...

Deixe uma resposta