Guerra

Print Friendly, PDF & Email

Guerra (Augusto dos Anjos)

Guerra é esforço, é inquietude, é ânsia, é transporte…
E a dramatização sangrenta e dura
Vir Deus num simples grão de argila errante,
Da avidez com que o Espírito procura

É a Subconsciência que se transfigura
Em volição conflagradora… E a coorte
Das raças todas, que se entrega à morte
Para a felicidade da Criatura!

É a obsessão de ver sangue, é o instinto horrendo
De subir, na ordem cósmica, descendo
A irracionalidade primitiva…

É a Natureza que, no seu arcano,
Precisa de encharcar-se em sangue humano
Para mostrar aos homens que está viva! Engenho Pau d’Arco – 14 de dezembro de 1901.

Publicações relacionadas

Canta no espaço a passarada e ... Canta no espaço a passarada e canta - Soneto (Augusto dos Anjos) Canta no esp...
Cien Sonetos de Amor – X... Cien Sonetos de Amor - XXVII (Pablo Neruda) Desnuda eres tan simple como una ...
O Oceano O Oceano (George Gordon Byron) (Tradução de Castro Alves) Rola, Oceano pro...
Resumo Resumo (Adélia Prado) Gerou os filhos, os netos, deu à casa o ar de sua graç...

Deixe uma resposta