Guerra

Print Friendly, PDF & Email

Guerra (Augusto dos Anjos)

Guerra é esforço, é inquietude, é ânsia, é transporte…
E a dramatização sangrenta e dura
Vir Deus num simples grão de argila errante,
Da avidez com que o Espírito procura

É a Subconsciência que se transfigura
Em volição conflagradora… E a coorte
Das raças todas, que se entrega à morte
Para a felicidade da Criatura!

É a obsessão de ver sangue, é o instinto horrendo
De subir, na ordem cósmica, descendo
A irracionalidade primitiva…

É a Natureza que, no seu arcano,
Precisa de encharcar-se em sangue humano
Para mostrar aos homens que está viva! Engenho Pau d’Arco – 14 de dezembro de 1901.

Publicações relacionadas

Se minhas mãos pudessem desfol... Se minhas mãos pudessem desfolhar (Federico Garcia Lorca) ...
As meninas da gare As meninas da gare (Oswald de Andrade) Eram três ou quatro moças bem moças e ...
Subversiva Subversiva (Ferreira Gullar) A poesia quando chega não respeita nada. Nem ...
Campos de Soria Campos de Soria (Antonio Machado) I Es la tierra de Soria, árida y fría....

Deixe uma resposta