Guerra

Print Friendly, PDF & Email

Guerra (Augusto dos Anjos)

Guerra é esforço, é inquietude, é ânsia, é transporte…
E a dramatização sangrenta e dura
Vir Deus num simples grão de argila errante,
Da avidez com que o Espírito procura

É a Subconsciência que se transfigura
Em volição conflagradora… E a coorte
Das raças todas, que se entrega à morte
Para a felicidade da Criatura!

É a obsessão de ver sangue, é o instinto horrendo
De subir, na ordem cósmica, descendo
A irracionalidade primitiva…

É a Natureza que, no seu arcano,
Precisa de encharcar-se em sangue humano
Para mostrar aos homens que está viva! Engenho Pau d’Arco – 14 de dezembro de 1901.

Publicações relacionadas

Um cadáver de poeta Um cadáver de poeta (Álvares de Azevedo) Levem ao t...
Ilusão Ilusão (Augusto dos Anjos) Dizes que sou feliz. Não mentes. Dizes Tudo que s...
O cavalo baloiço vencedor O cavalo baloiço vencedor (David Hebert Lawrence) Havia uma mulher que er...
As horas pela alameda As horas pela alameda (Fernando Pessoa) As horas pela alameda Arrastam ve...

Deixe uma resposta