Elevação

Print Friendly, PDF & Email

Elevação (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Eduardo Guimarães

Sobre os charcos, além das valadros,
acima da montanha e além das nuvens no ar,
e do mar e do sol e do éter a brilhar
e para lá do fim dos planos estrelados,

sinto-te ágil, ó meu espírito, ascender
e como nadador que a onda de gozo inunda,
sulcar alegremente a vastidão profunda,
um indizível, casto e másculo prazer!

Voa fugindo ao mal destes miasmas baços.
Purifica-te no ar do azul superior
e bebe, como um puro e divino licor,
do claro fogo que enche os límpidos espaços.

Por trás dos tédios, sob a dor que a alma reduz,
e abate, como um peso, a existência brumosa,
ah! feliz de quem possa, a uma asa vigorosa,
suspenso, arrebatar-se ás regiões da luz!

Quem tenha os sonhos como as calhandras que as alam
e giram pelo céu ao matinal clarão:
quem sobre a vida paire e sem esforço vão,
saiba as flores ouvir e as coisas que não falam!

Publicações relacionadas

A minha vida é um barco abando... A minha vida é um barco abandonado (Fernando Pessoa) A minha vida é um barco...
Preceito 04 Preceito 04 (Gregório de Matos) Vejo, que morrem de fome os Pais daquelas...
Fundación mítica de Buenos Air... Fundación mítica de Buenos Aires (Jorge Luis Borges) ¿Y fue por este río de s...
Nada É Impossível De Mudar Nada É Impossível De Mudar (Bertold Brecht) Desconfiai do mais trivial , na...

Deixe uma resposta