Vida obscura

Print Friendly, PDF & Email

Vida obscura (Cruz e Souza)

Ninguém sentiu o teu espasmo obscuro,
Ó ser humilde entre os humildes seres.
Embriagado, tonto dos prazeres,
O mundo para ti foi negro e duro.

Atravessaste num silêncio escuro
A vida presa a trágicos deveres
E chegaste ao saber de altos saberes
Tornando-te mais simples e mais puro.

Ninguém Te viu o sentimento inquieto,
Magoado, oculto e aterrador, secreto,
Que o coração te apunhalou no mundo.

Mas eu que sempre te segui os passos
Sei que cruz infernal prendeu-te os braços
E o teu suspiro como foi profundo!

Publicações relacionadas

O que Nós Vemos O que Nós Vemos (Alberto Caeiro) De...
Cien Sonetos de Amor – X... Cien Sonetos de Amor - XXV (Pablo Neruda) Antes de amarte. amor, nada era mío...
Num Dia de Verão Num Dia de Verão (Alberto Caeiro) D...
O gosto do nada O gosto do nada (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Guilherme de Almeida...

Deixe uma resposta