Vida obscura

Print Friendly, PDF & Email

Vida obscura (Cruz e Souza)

Ninguém sentiu o teu espasmo obscuro,
Ó ser humilde entre os humildes seres.
Embriagado, tonto dos prazeres,
O mundo para ti foi negro e duro.

Atravessaste num silêncio escuro
A vida presa a trágicos deveres
E chegaste ao saber de altos saberes
Tornando-te mais simples e mais puro.

Ninguém Te viu o sentimento inquieto,
Magoado, oculto e aterrador, secreto,
Que o coração te apunhalou no mundo.

Mas eu que sempre te segui os passos
Sei que cruz infernal prendeu-te os braços
E o teu suspiro como foi profundo!

Publicações relacionadas

Dispersão Dispersão (Mário de Sá Carneiro) Perdi-me dentro de mim Porque eu era labir...
Os gatos Os gatos (Charles Pierre Baudelaire) ...
Os poemas Os poemas (Mário Quintana) Os poemas são pássaros que chegam não se sabe de ...
Versos Versos (Antero de Quental) (escritos num exemplar das...

Deixe uma resposta