Vida obscura

Cruz e SouzaVida obscura (Cruz e Souza)

Ninguém sentiu o teu espasmo obscuro,
Ó ser humilde entre os humildes seres.
Embriagado, tonto dos prazeres,
O mundo para ti foi negro e duro.

Atravessaste num silêncio escuro
A vida presa a trágicos deveres
E chegaste ao saber de altos saberes
Tornando-te mais simples e mais puro.

Ninguém Te viu o sentimento inquieto,
Magoado, oculto e aterrador, secreto,
Que o coração te apunhalou no mundo.

Mas eu que sempre te segui os passos
Sei que cruz infernal prendeu-te os braços
E o teu suspiro como foi profundo!

Publicações relacionadas

Cogitação Cogitação (Cruz e Souza) Ah! mas então tudo será baldado?! Tudo desfeito e t...
Quando será?! Quando será?! (Cruz e Souza) Quando será que tantas almas duras Em tudo, já ...
De alma em alma De alma em alma (Cruz e Souza) Tu andas de alma em alma errando, errando, co...
Piedade Piedade (Cruz e Souza) O coração de todo o ser humano Foi concebido para ter...

Deixe uma resposta