Alucinação

Print Friendly, PDF & Email

Alucinação (Cruz e Souza)

Ó solidão do Mar, ó amargor das vagas,
Ondas em convulsões, ondas em rebeldia,
Desespero do Mar, furiosa ventania,
Boca em fel dos tritões engasgada de pragas.

Velhas chagas do sol, ensangüentadas chagas
De ocasos purpurais de atroz melancolia,
Luas tristes, fatais, da atra mudez sombria
Da trágica ruína em vastidões pressagas.

Para onde tudo vai, para onde tudo voa,
Sumido, confundido, esboroado, à-toa,
No caos tremendo e nu dos tempo a rolar?

Que Nirvana genial há de engolir tudo isto –
– Mundos de Inferno e Céu, de Judas e de cristo,
Luas, chagas do sol e turbilhões do Mar?!
.

Publicações relacionadas

A um poeta A um poeta (Antero de Quental) d...
Anunciação sem oxalá Anunciação sem oxalá (Mario Benedetti) Do l...
As meninas da gare As meninas da gare (Oswald de Andrade) Eram três ou quatro moças bem moças e ...
Dos milagres Dos milagres (Mário Quintana) O milagre não é dar vida ao corpo extinto, Ou ...

Deixe uma resposta