Alucinação

Print Friendly, PDF & Email

Alucinação (Cruz e Souza)

Ó solidão do Mar, ó amargor das vagas,
Ondas em convulsões, ondas em rebeldia,
Desespero do Mar, furiosa ventania,
Boca em fel dos tritões engasgada de pragas.

Velhas chagas do sol, ensangüentadas chagas
De ocasos purpurais de atroz melancolia,
Luas tristes, fatais, da atra mudez sombria
Da trágica ruína em vastidões pressagas.

Para onde tudo vai, para onde tudo voa,
Sumido, confundido, esboroado, à-toa,
No caos tremendo e nu dos tempo a rolar?

Que Nirvana genial há de engolir tudo isto –
– Mundos de Inferno e Céu, de Judas e de cristo,
Luas, chagas do sol e turbilhões do Mar?!
.

Publicações relacionadas

Poema de Sete Faces Poema de Sete Faces (Carlos Drummond de Andrade) Quando nasci, um anjo torto ...
Os Peitos Os Peitos (Arnaldo Antunes) Mulheres têm dois peitos. Os homens têm ...
Pecadora Pecadora (Augusto dos Anjos) Arte ingrata! E conquanto, em desalento, A órb...
Curriculum Curriculum (Mario Benedetti) El cuento es muy sencillo usted nace contemp...

Deixe uma resposta