Presa do ódio

Print Friendly, PDF & Email

Presa do ódio (Cruz e Souza)

Da tu’alma na funda galeria
Descendo às vezes, eu às vezes sinto
Que como o mais feroz lobo faminto
Teu ódio baixo de alcatéia espia.

Do Desespero a noite cava e fria,
De boêmias vis o pérfido absinto
Pôs no teu ser um negro labirinto,
Desencadeou sinistra ventania.

Desencadeou a ventania rouca,
surda, tremenda, desvairada, louca,
Que a tu’alma abalou de lado a lado.

Que te infalamou de cóleras supremas
e deixou-te nas trágicas algemas
Do teu ódio sangrento acorrentado!
.

Publicações relacionadas

O elefante O elefante (Arnaldo Antunes) Tromba o elefante é o único animal que tem....
Navegar é Preciso Navegar é Preciso (Fernando Pessoa) Navegadores antigos tinham uma frase glor...
Uma Noite no Cairo Uma Noite no Cairo (Augusto dos Anjos) Noite no Egito. O céu claro e profund...
Eu Sempre Pensei Eu Sempre Pensei (Bertold Brecht) E eu sempre pensei: as mais simples palavra...

Deixe uma resposta