Presa do ódio

Print Friendly, PDF & Email

Presa do ódio (Cruz e Souza)

Da tu’alma na funda galeria
Descendo às vezes, eu às vezes sinto
Que como o mais feroz lobo faminto
Teu ódio baixo de alcatéia espia.

Do Desespero a noite cava e fria,
De boêmias vis o pérfido absinto
Pôs no teu ser um negro labirinto,
Desencadeou sinistra ventania.

Desencadeou a ventania rouca,
surda, tremenda, desvairada, louca,
Que a tu’alma abalou de lado a lado.

Que te infalamou de cóleras supremas
e deixou-te nas trágicas algemas
Do teu ódio sangrento acorrentado!
.

Publicações relacionadas

Os dias da Comuna Os dias da Comuna (Bertold Brecht) Traduçã...
As vogais As vogais (Arthur Rimbaud) Tradução de Celso Vieira A negro, E, branco, ...
Cantares… Cantares... (Antonio Machado) Todo pasa y todo queda, pero lo nuestro es pas...
Disaires da formosura Disaires da formosura (Gregório de Matos) Rubi, concha de perlas peregrina, ...

Deixe uma resposta