Presa do ódio

Print Friendly, PDF & Email

Presa do ódio (Cruz e Souza)

Da tu’alma na funda galeria
Descendo às vezes, eu às vezes sinto
Que como o mais feroz lobo faminto
Teu ódio baixo de alcatéia espia.

Do Desespero a noite cava e fria,
De boêmias vis o pérfido absinto
Pôs no teu ser um negro labirinto,
Desencadeou sinistra ventania.

Desencadeou a ventania rouca,
surda, tremenda, desvairada, louca,
Que a tu’alma abalou de lado a lado.

Que te infalamou de cóleras supremas
e deixou-te nas trágicas algemas
Do teu ódio sangrento acorrentado!
.

Publicações relacionadas

O cônego Filipe O cônego Filipe (Álvares de Azevedo) O cônego Filipe! Ó nome eterno! Cinzas...
Muito mais grave Muito mais grave (Mario Benedetti) Tradução Todas as partes de minha vida ...
Mater Originalis Mater Originalis (Augusto dos Anjos) Forma vermicular desconhecida Que estac...
Sensorial Sensorial (Adélia Prado) Obturação, é da amarela que eu ponho. Pimenta e ...

Deixe uma resposta