Presa do ódio

Cruz e SouzaPresa do ódio (Cruz e Souza)

Da tu’alma na funda galeria
Descendo às vezes, eu às vezes sinto
Que como o mais feroz lobo faminto
Teu ódio baixo de alcatéia espia.

Do Desespero a noite cava e fria,
De boêmias vis o pérfido absinto
Pôs no teu ser um negro labirinto,
Desencadeou sinistra ventania.

Desencadeou a ventania rouca,
surda, tremenda, desvairada, louca,
Que a tu’alma abalou de lado a lado.

Que te infalamou de cóleras supremas
e deixou-te nas trágicas algemas
Do teu ódio sangrento acorrentado!
.

Publicações relacionadas

De alma em alma De alma em alma (Cruz e Souza) Tu andas de alma em alma errando, errando, co...
Imortal atitude Imortal atitude (Cruz e Souza) Abre os olhos à Vida e fica mudo! Oh! Basta c...
Prodígio! Prodígio! (Cruz e Souza) Como o Rei Lear não sentes a tormenta Que te desaba...
Madona da Tristeza Madona da Tristeza (Cruz e Souza) Quando te escuto e te olho reverente E sin...

Deixe uma resposta