O pressentimento

Print Friendly, PDF & Email

O pressentimento (Federico Garcia Lorca)

(10 de novembro de 1919, Granada)

Eu pronuncio teu nome
nas noites escuras,
quando vêm os astros
beber na lua
e dormem nas ramagens
das frondes ocultas.

E eu me sinto oco
de paixão e de música.
Louco relógio que canta
mortas horas antigas.

Eu pronuncio teu nome,
nesta noite escura,
e teu nome me soa
mais distante que nunca.
Mais distante que todas as estrelas
e mais dolente que a mansa chuva.

Amar-te-ei como então
alguma vez? Que culpa
tem meu coração?
Se a névoa se esfuma,
que outra paixão me espera?
Será tranqüila e pura?
Se meus dedos pudessem
desfolhar a lua!!

Publicações relacionadas

A Criança A Criança (Alberto Caeiro) A criança que pensa em fadas e acredita nas f...
A donzela e o fantasma –... A donzela e o fantasma - IV (Oscar Wilde) CAPÍTULO IV No dia imediato o fa...
Flor do mar Flor do mar (Augusto dos Anjos) És da origem do mar, vens do secreto, ...
Musa traviesa Musa traviesa (José Martí) Mi musa? Es un diablillo Contándolo, me inunda Co...

Deixe uma resposta