À Mesa

Print Friendly, PDF & Email

À Mesa (Augusto dos Anjos)

Cedo à sofreguidão do estômago. É a hora
De comer. Coisa hedionda! Corro. E agora,
Antegozando a ensangüentada presa,
Rodeado pelas moscas repugnantes,
Para comer meus próprios semelhantes
Eis-me sentado à mesa!

Como porções de carne morta … Ai! Como
Os que, como eu, têm carne, com este assomo
Que a espécie humana em comer carne tem! …
Como! E pois que a Razão me não reprime,
Possa a terra vingar-se do meu crime
Comendo-me também.

Publicações relacionadas

Minha boemia Minha boemia (Arthur Rimbaud) Traduç...
A Máscara do Mal A Máscara do Mal (Bertold Brecht) Em minha parede há uma escultura de madeira...
O céu O céu (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Wenceslau de Queiroz Por...
Poema Sujo – um fragment... Poema Sujo - um fragmento: "Velocidades" (Ferreira Gullar) Mas na cidade havi...

Deixe uma resposta