À Mesa

Print Friendly, PDF & Email

À Mesa (Augusto dos Anjos)

Cedo à sofreguidão do estômago. É a hora
De comer. Coisa hedionda! Corro. E agora,
Antegozando a ensangüentada presa,
Rodeado pelas moscas repugnantes,
Para comer meus próprios semelhantes
Eis-me sentado à mesa!

Como porções de carne morta … Ai! Como
Os que, como eu, têm carne, com este assomo
Que a espécie humana em comer carne tem! …
Como! E pois que a Razão me não reprime,
Possa a terra vingar-se do meu crime
Comendo-me também.

Publicações relacionadas

O palácio da ventura O palácio da ventura (Antero de Quental) ...
Marcha de quarta-feira de cinz... Marcha de quarta-feira de cinzas (Vinicius de Moraes Acabou nosso carnaval ...
Cravo de noiva Cravo de noiva (Augusto dos Anjos) Cravo de noiva. A nívea cor de cera Que o...
Sete poemas portugueses (6) Sete poemas portugueses (6) (Ferreira Gullar) Calco sob os pés sórdidos o mit...

Deixe uma resposta