O ter deveres, que prolixa coisa!

Print Friendly, PDF & Email

O ter deveres, que prolixa coisa! (Álvaro de Campos)

O ter deveres, que prolixa coisa!
Agora tenho que estar à uma menos cinco
Na Estação do Rócio, tabuleiro superior – despedida
Do amigo que vai no `Sud Express’ de toda a gente
Para onde toda a gente vai, o Paris…

Tenho que estar lá
E acreditem, o cansaço antecipado é tão grande
Que, se p `Sud Express’ soubesse, descarrilava…
Brincadeira de crianças?
Não, descarrilava a valer…
Que leve a minha vida dentro, arre, quando descarrile!…

Tenho desejo forte,
E o meu desejo, porque é forte, entra na substância do mundo.

Publicações relacionadas

Os Deuses Os Deuses (Ricardo Reis) Os deuses desterrados. Os irmãos de Saturno, Às ...
Oferta Oferta (Oswald de Andrade) Quem sabe Se algum dia Traria O elevador Até...
A Nau A Nau (Augusto dos Anjos) A Heitor Lima Sôfrega, alçando o hirto esporão g...
Contrastes Contrastes (Augusto dos Anjos) A antítese do novo e do obsoleto, O Amor e a ...

Deixe uma resposta