Angústia

Print Friendly, PDF & Email

Angústia (Graciliano Ramos)

“Lá estão novamente gritando os meus desejos.
Calam-se acovardados, tornam-se inofensivos, transformam-se, correm para a vila recomposta.
Um arrepio atravessa-me a espinha, inteiriça-me os dedos sobre o papel.
Naturalmente são os desejos que fazem isto, mas atribuo a coisa à chuva que bate no telhado e à recordação daquela peneira ranzinza que descia do céu todos os dias.”

Publicações relacionadas

Aventura na casa atarracada Aventura na casa atarracada (Ana Cristina Cesar) Movido contraditoriamente ...
A meretriz A meretriz (Augusto dos Anjos) A rua dos destinos desgraçados Faz medo. O Ví...
Sete poemas portugueses (4) Sete poemas portugueses (4) (Ferreira Gullar) Nada vos oferto além destas m...
A Criança A Criança (Alberto Caeiro) A criança que pensa em fadas e acredita nas f...

Deixe uma resposta