Angústia

Print Friendly, PDF & Email

Angústia (Graciliano Ramos)

“Lá estão novamente gritando os meus desejos.
Calam-se acovardados, tornam-se inofensivos, transformam-se, correm para a vila recomposta.
Um arrepio atravessa-me a espinha, inteiriça-me os dedos sobre o papel.
Naturalmente são os desejos que fazem isto, mas atribuo a coisa à chuva que bate no telhado e à recordação daquela peneira ranzinza que descia do céu todos os dias.”

Publicações relacionadas

O Buraco do Espelho O Buraco do Espelho (Arnaldo Antunes) o buraco do espelho está fechado agora...
Ápice Ápice (Mário de Sá Carneiro) O raio do sol da tarde Que uma janela perdida ...
É Ela! É Ela! É Ela! É Ela!... É Ela! É Ela! É Ela! É Ela! (Álvares de Azevedo) É ela! É ela! — murmurei tre...
Canto íntimo Canto íntimo (Augusto dos Anjos) Meu amor, em sonhos erra, Muito longe, alti...

Deixe uma resposta