Angústia

Print Friendly, PDF & Email

Angústia (Graciliano Ramos)

“Lá estão novamente gritando os meus desejos.
Calam-se acovardados, tornam-se inofensivos, transformam-se, correm para a vila recomposta.
Um arrepio atravessa-me a espinha, inteiriça-me os dedos sobre o papel.
Naturalmente são os desejos que fazem isto, mas atribuo a coisa à chuva que bate no telhado e à recordação daquela peneira ranzinza que descia do céu todos os dias.”

Publicações relacionadas

Orfandade Orfandade (Adélia Prado) Meu Deus, me dá cinco anos. Me dá um pé de fedego...
A Obsessão do Sangue A Obsessão do Sangue (Augusto dos Anjos) Acordou, vendo sangue... — Horrível!...
Se Depois de Eu Morrer Se Depois de Eu Morrer (Alberto Caeiro) Se depois de eu morrer, quiserem es...
Poema com absorvências Poema com absorvências (Adélia Prado) Poema com absorvências no totalmeute p...

Deixe uma resposta