Versos d’um Exilado

Print Friendly, PDF & Email

Versos d’um Exilado (Augusto dos Anjos)

Eu vou partir. Na límpida corrente
Rasga o batel o leito d’água fina
– Albatroz deslizando mansamente
Como se fosse vaporosa Ondina.

Exilado de ti, oh! Pátria! Ausente
Irei cantar a mágoa peregrina
Como canta o pastor a matutina
Trova d’amor, à luz do sol nascente!

Não mais virei talvez e, lá sozinho,
Hei de lembrar-me do meu pátrio ninho,
D’onde levo comigo a nostalgia

E esta lembrança que hoje me quebranta
E que eu levo hoje como a imagem santa
Dos sonhos todos que já tive um dia!

Publicações relacionadas

Soledades V Soledades V (Antonio Machado) Mediaba el mes de julio. Era un hermoso día. ...
As mãos de meu pai As mãos de meu pai (Mário Quintana) As tuas mãos têm grossas veias como corda...
Se o Homem Fosse Se o Homem Fosse (Alberto Caeiro) Se o homem fosse, como deveria ser, Não...
História de um vencido História de um vencido (Augusto dos Anjos) Sol alto. A terra escalda: é um f...

Deixe uma resposta