Versos d’um Exilado

Print Friendly, PDF & Email

Versos d’um Exilado (Augusto dos Anjos)

Eu vou partir. Na límpida corrente
Rasga o batel o leito d’água fina
– Albatroz deslizando mansamente
Como se fosse vaporosa Ondina.

Exilado de ti, oh! Pátria! Ausente
Irei cantar a mágoa peregrina
Como canta o pastor a matutina
Trova d’amor, à luz do sol nascente!

Não mais virei talvez e, lá sozinho,
Hei de lembrar-me do meu pátrio ninho,
D’onde levo comigo a nostalgia

E esta lembrança que hoje me quebranta
E que eu levo hoje como a imagem santa
Dos sonhos todos que já tive um dia!

Publicações relacionadas

Queixas Noturnas Queixas Noturnas (Augusto dos Anjos) Quem foi que viu a minha Dor chorando?! ...
Pneumotoráx Pneumotoráx (Manuel Bandeira) Febre, hemoptise, dispnéia e suores noturnos, ...
Façamos um trato Façamos um trato (Mario Benedetti) Tradução Companheira você sabe que po...
A caridade A caridade (Augusto dos Anjos) No universo a caridade Em contraste ao vício ...

Deixe uma resposta