A epidemia asiática

Print Friendly, PDF & Email

A epidemia asiática

(Robert Kurz)


Publicado em 02/11/97 no caderno Mais! da Folha de São Paulo.


Os franceses podem ter vivido a última das grandes greves em massa da história dos sindicatos




Não faz muito tempo, proclamou-se o ”século do Pacífico”. O guru da administração, John Naisbitt, mostrava-se entusiasmado com a Ásia das ”grandes tendências”. O peso da economia, dizia-se, será deslocado da relação atlântica entre os Estados Unidos e a Europa para a relação pacífica entre os Estados Unidos e a Ásia. Mas a nova região dos sonhos do crescimento já se tornou, poucos anos depois, um pesadelo. O boom do Sudeste Asiático nunca teve bases sérias. Desde o início ele foi guiado pelo volante de um ciclo deficitário transcontinental. A industrialização japonesa, voltada unicamente para as exportações, acumula há mais de uma década vultosos excedentes no comércio com os Estados Unidos. Porém, os Estados Unidos não pagam nem com as receitas da exportação para outros países nem com as próprias economias, mas com sua imagem de potência mundial e com títulos do Tesouro americano, dos quais o Japão é o principal beneficiário. A conjuntura interna dos Estados Unidos _aparentemente promissora nos últimos anos, com uma participação inaudita do setor terciário em mais de 70%_ foi também induzida sobretudo pelo endividamento externo galopante, que, nesse meio tempo, se tornou, de longe, o maior do mundo. Se os Estados Unidos hoje são tidos como padrão de êxito econômico, então um moribundo, que depende de aparelhos cardíacos e respiratórios, há de ser tomado como exemplo luminoso de bem-estar corporal. Embora, no fundo, o sucesso das exportações nipônicas seja pago à força de empréstimos excessivos contraídos com os próprios Estados Unidos, os japoneses consideram-se ricos. Nos anos 80, com base nessa riqueza fictícia, soprou-se uma enorme bolha especulativa dos mercados acionário e imobiliário japoneses. Desde que esta bolha estourou, no início dos anos 90, o Japão é atormentado por uma massa de créditos podres, na ordem, talvez, de US$ 1 trilhão.Porém, esse desastre ainda não foi realizado, mas ”retido” sorrateiramente em sociedades ”testa-de-ferro” criadas por eles próprios. Ao mesmo tempo, ampliou-se o ciclo deficitário do Pacífico, com o ingresso, primeiro, dos ”pequenos tigres” (Hong Kong, Coréia do Sul, Taiwan e Cingapura) e, depois, dos ”tigres de segunda geração” (Tailândia, Indonésia, Malásia e, por último, Filipinas). Em consonância com o modelo japonês, a exportação unilateral dos tigres tomou o rumo da ”mão única do Pacífico”. Mas essa segunda onda de exportações dependeu inteiramente, desde o princípio, do Japão. As indústrias exportadoras dos novatos detinham somente uma parcela ínfima da cadeia produtiva e eram obrigadas a desembolsar quantias enormes em bens de produção e componentes, comprados do Japão. Por isso, o déficit comercial, no que se refere ao Japão, acumulou-se tanto em termos relativos quanto absolutos. Surgiu, portanto, um ciclo deficitário interasiático entre o Japão e os tigres. Se os Estados Unidos pagam seu excedente de importação em relação ao Japão com títulos da dívida, os tigres pagam as suas dívidas para com os japoneses com o excedente de exportação para os Estados Unidos. Para conseguir agenciar seu crescente déficit em relação ao Japão, os tigres ampliam, de forma constante, suas capacidades exportadoras, sem ter uma efetiva vantagem na produtividade. Eles só puderam prosperar à base de salários baixos e taxas de câmbio politicamente fixadas. Se as taxas eram baixadas, para favorecer as exportações, logo elas tinham de ser elevadas de modo artificial para atrair capital estrangeiro. De fato, enquanto os salários subiam devido à ampliação mecânica das empresas e ao esgotamento das reservas de mão-de-obra, segundo a lei da oferta e procura, explodiam também os custos para a crescente importação de bens de produção e capital. Tornou-se evidente que a infra-estrutura negligenciada e explorada aos limites consumirá rios de dinheiro para investimentos suplementares, caso se queira manter o boom das exportações nos próximos anos. O atrelamento ao dólar (ou à outra ”moeda forte”) e, portanto, a estabilização de uma taxa de juros elevada não era especialidade dos tigres.


Os ”países emergentes” da América Latina e alguns governos reformistas do Leste Europeu também utilizaram esse meio, para garantir o fluxo de capital urgentemente requisitado. Era de se esperar que tais taxas de câmbio políticas, às quais não correspondia uma substância econômica suficiente, suscitariam a especulação dos grandes fundos internacionais contra as moedas amparadas artificialmente. O ”agosto negro” de 1997, no qual a maioria das moedas asiáticas caiu por terra, foi um prenúncio também para a América Latina e o Leste Europeu. Logicamente, ao colapso das moedas seguiu-se o colapso das Bolsas. Enquanto os potenciais de exportação falsamente inflados ameaçam transformar-se em ruínas de investimento, o capital internacional aplicado sempre a curto prazo continua a retrair-se. Se, de início, a ”gripe asiática” parecia manter-se regionalmente restrita, a intervenção especulativa no dólar de Hong Kong desencadeou, por sua vez, um crash global das Bolsas que há muito se cogitava. Não obstante, os políticos e os administradores de fundos se empenham, na medida de suas forças, em maquiar a situação. Ora, é uma mentira esfarrapada afirmar que o caso é somente de purificação de alguns excessos especulativos, ao passo que a economia real estaria em plena forma. Na verdade, a própria economia aparentemente real há tempos só é impulsionada pelos aumentos fictícios de valor _e isso em escala mundial. Por isso, o abalo causado pelo crash de Hong Kong não foi de teor meramente psicológico. Em todos os países, inclusive na Europa, o volume crítico do endividamento de pessoas físicas, empresas e Estados há muito foi atingido. Rompeu-se o elo mais fraco do cassino-capitalismo global _o ciclo deficitário interasiático. Em breve, o Japão, em seu meio asiático, será confrontado com uma segunda montanha de crédito podre, que não se deixa manipular tão facilmente. Com isso, aproxima-se um fantasma que há anos paira no horizonte: o Japão poderia ser forçado, em grande escala, a bater em retirada dos empréstimos norte-americanos, a fim de não cair no abismo em conjunto com seus parceiros asiáticos. O fim do ciclo deficitário interasiático conduzirá, mais cedo ou mais tarde, ao colapso do grande ciclo deficitário do Pacífico. O suposto ”porto seguro” em que o capital, até hoje, resguardou-se da quebra das Bolsas estaria, assim, obstruído. Ao capital à deriva restaria apenas refugiar-se no ouro. De certa forma, isso corresponderia ao colapso mundial dos mercados financeiros e o fim da prosperidade ilusória também nos Estados Unidos. Um tal processo é possível na forma de uma erupção repentina, mas também pode se dar num espaço de tempo mais longo, em pequenos surtos, acompanhado de um movimento pendular das moedas cada vez mais espaçado. Em todo caso, ele parece inevitável. O cassino-capitalismo atingiu o seu zênite; por trás dele, é possível vislumbrar os contornos de uma crise econômica mundial qualitativamente nova.

Publicações relacionadas

A vontade de abrangência A vontade de abrangência É cada vez mais árduo o trabalho do inte...
A filosofia míope do capitalis... A filosofia míope do capitalismo-cassino (Robert Kurz) Publicado em 27/10/96...
O tédio mortal da modernidade O tédio mortal da modernidade (Robert Kurz) Publicado em 27/11/99 no caderno...
O liberal e as fadas O liberal e as fadas (Robert Kurz) Publicado em 18/05/97 no caderno Mais! da...

Deixe uma resposta