Vencedor

Print Friendly, PDF & Email

Vencedor (Augusto dos Anjos)

Toma as espadas rútilas, guerreiro,
E á rutilância das espadas, toma
A adaga de aço, o gládio de aço, e doma
Meu coração — estranho carniceiro!

Não podes?! Chama então presto o primeiro
E o mais possante gladiador de Roma.
E qual mais pronto, e qual mais presto assoma,
Nenhum pode domar o prisioneiro.

Meu coração triunfava nas arenas.
Veio depois de um domador de hienas
E outro mais, e, por fim, veio um atleta,

Vieram todos, por fim; ao todo, uns cem…
E não pude domá-lo, enfim, ninguém,
Que ninguém doma um coração de poeta!

Publicações relacionadas

O notável foguete O notável foguete (Oscar Wilde) O filho do rei ia casar-se. Por isto o regozi...
Puente Puente (Nicolás Guillén) De Odas Mínimas ¿Lejos? ...
Canto íntimo Canto íntimo (Augusto dos Anjos) Meu amor, em sonhos erra, Muito longe, alti...
Transgressões Transgressões (Mario Benedetti) Do livro "P...

Deixe uma resposta