Vencedor

Print Friendly, PDF & Email

Vencedor (Augusto dos Anjos)

Toma as espadas rútilas, guerreiro,
E á rutilância das espadas, toma
A adaga de aço, o gládio de aço, e doma
Meu coração — estranho carniceiro!

Não podes?! Chama então presto o primeiro
E o mais possante gladiador de Roma.
E qual mais pronto, e qual mais presto assoma,
Nenhum pode domar o prisioneiro.

Meu coração triunfava nas arenas.
Veio depois de um domador de hienas
E outro mais, e, por fim, veio um atleta,

Vieram todos, por fim; ao todo, uns cem…
E não pude domá-lo, enfim, ninguém,
Que ninguém doma um coração de poeta!

Publicações relacionadas

Insânia de um Simples Insânia de um Simples (Augusto dos Anjos) Em cismas patológicas insanas, É-m...
Poema de Sete Faces Poema de Sete Faces (Carlos Drummond de Andrade) Quando nasci, um anjo torto ...
Alda Alda (Augusto dos Anjos) Alva, do alvor das límpidas geleiras, De...
Bárbaro Bárbaro (Mário de Sá Carneiro) Enroscam-se-lhe ao trono as serpentes doiradas...

Deixe uma resposta