Vencedor

Print Friendly, PDF & Email

Vencedor (Augusto dos Anjos)

Toma as espadas rútilas, guerreiro,
E á rutilância das espadas, toma
A adaga de aço, o gládio de aço, e doma
Meu coração — estranho carniceiro!

Não podes?! Chama então presto o primeiro
E o mais possante gladiador de Roma.
E qual mais pronto, e qual mais presto assoma,
Nenhum pode domar o prisioneiro.

Meu coração triunfava nas arenas.
Veio depois de um domador de hienas
E outro mais, e, por fim, veio um atleta,

Vieram todos, por fim; ao todo, uns cem…
E não pude domá-lo, enfim, ninguém,
Que ninguém doma um coração de poeta!

Publicações relacionadas

Vidas Secas Vidas Secas (Graciliano Ramos) Resumo: Em nenhum outro romance Graciliano ...
Haicai Haicai (Paulo Leminski) a estrela cadente me caiu ainda quente na palma d...
Ave Dolorosa Ave Dolorosa (Augusto dos Anjos) Ave perdida para sempre - crença Perdida - ...
A boa vista A boa vista (Castro Alves) Sonha, poeta, sonha! Aqui sentado No tosco...

Deixe uma resposta