Embriaga-te

Print Friendly, PDF & Email

Embriaga-te (Charles Pierre Baudelaire)

Deve- se estar sempre bêbado. É a única questão.
A fim de não se sentir o fardo horrível do tempo,
que parte tuas espáduas e te dobra sobre a terra.
É preciso te embriagares sem trégua.
Mas de quê? De vinho, de poesia ou de virtude?
A teu gosto, mas embriaga-te.
E se alguma vez sobre os degraus de um palácio,
sobre a verde relva de uma vala,
na sombria solidão de teu quarto,
tu te encontrares com a embriaguez já minorada ou finda,
peça ao vento, à vaga, à estrela, ao pássaro, ao relógio,
a tudo aquilo que gira, a tudo aquilo que voa,
a tudo aquilo que canta, a tudo aquilo que fala, a tudo aquilo que geme.
Pergunte que horas são. E o vento, a vaga, a estrela, o pássaro,
o relógio, te responderão.
É hora de se embriagar !!!
Para não ser como os escravos martirizados pelo tempo, embriaga-te.
Embriaga-te sem cessar. De vinho, de poesia ou de virtude.
A teu gosto.

Publicações relacionadas

A uma que lhe chamou pica-flor A uma que lhe chamou pica-flor (Gregório de Matos) Se Pica-flor me chamais P...
O palácio da ventura O palácio da ventura (Antero de Quental) ...
Canto negro Canto negro (Nicolás Guillén) De Sóngoro cosongo ...
Subversiva Subversiva (Ferreira Gullar) A poesia quando chega não respeita nada. Nem ...

Deixe uma resposta