Embriaga-te

Print Friendly, PDF & Email

Embriaga-te (Charles Pierre Baudelaire)

Deve- se estar sempre bêbado. É a única questão.
A fim de não se sentir o fardo horrível do tempo,
que parte tuas espáduas e te dobra sobre a terra.
É preciso te embriagares sem trégua.
Mas de quê? De vinho, de poesia ou de virtude?
A teu gosto, mas embriaga-te.
E se alguma vez sobre os degraus de um palácio,
sobre a verde relva de uma vala,
na sombria solidão de teu quarto,
tu te encontrares com a embriaguez já minorada ou finda,
peça ao vento, à vaga, à estrela, ao pássaro, ao relógio,
a tudo aquilo que gira, a tudo aquilo que voa,
a tudo aquilo que canta, a tudo aquilo que fala, a tudo aquilo que geme.
Pergunte que horas são. E o vento, a vaga, a estrela, o pássaro,
o relógio, te responderão.
É hora de se embriagar !!!
Para não ser como os escravos martirizados pelo tempo, embriaga-te.
Embriaga-te sem cessar. De vinho, de poesia ou de virtude.
A teu gosto.

Publicações relacionadas

A Neve A Neve (Alberto Caeiro) A neve pôs uma toalha calada sobre tudo. N...
Acho tão Natural que não se Pe... Acho tão Natural que não se Pense (Alberto Caeiro) ...
Cristais Cristais (Augusto dos Anjos) Mais claro e fino do que as finas pratas ...
De profundis clamavi De profundis clamavi (Charles Pierre Baudelaire) ...

Deixe uma resposta