Lacrimae rerum

Print Friendly, PDF & Email

Lacrimae rerum (Antero de Quental)

de Sonetos

Noite, irmã da Razão e irmã da Morte,
Quantas vezes tenho eu interrogado
Teu verbo, teu oráculo sagrado,
Confidente e intérprete da Sorte!

Aonde são teus sóis, como coorte
De almas inquietas, que conduz o Fado?
E o homem porque vaga desolado
E em vão busca a certeza que o conforte?

Mas, na pompa de imenso funeral,
Muda, a noite, sinistra e triunfal,
Passa volvendo as horas vagarosas…

É tudo, em torno a mim, dúvida e luto;
E, perdido num sonho imenso, escuto
O suspiro das coisas tenebrosas…

Publicações relacionadas

Distante Melodia Distante Melodia (Mário de Sá Carneiro) Num sonho de Íris morto a oiro e bras...
Os antigos invocavam as Musas Os antigos invocavam as Musas (Álvaro de Campos) Os antigos invocavam as Musa...
Poema esquisito Poema esquisito (Adélia Prado) Dói-me a cabeça aos trinta e nove anos. Não ...
Retribuindo Retribuindo (Mário de Andrade) Por que os homens não me escutam? Por que os g...

Deixe uma resposta