Lacrimae rerum

Print Friendly, PDF & Email

Lacrimae rerum (Antero de Quental)

de Sonetos

Noite, irmã da Razão e irmã da Morte,
Quantas vezes tenho eu interrogado
Teu verbo, teu oráculo sagrado,
Confidente e intérprete da Sorte!

Aonde são teus sóis, como coorte
De almas inquietas, que conduz o Fado?
E o homem porque vaga desolado
E em vão busca a certeza que o conforte?

Mas, na pompa de imenso funeral,
Muda, a noite, sinistra e triunfal,
Passa volvendo as horas vagarosas…

É tudo, em torno a mim, dúvida e luto;
E, perdido num sonho imenso, escuto
O suspiro das coisas tenebrosas…

Publicações relacionadas

A fonte de sangue A fonte de sangue (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Theophilo Dias ...
A Louca A Louca (Augusto dos Anjos) A Dias Paredes Quando ela passa: - a veste des...
O Lamento das Coisas O Lamento das Coisas (Augusto dos Anjos) Triste, a escutar, pancada por panca...
Impressionista Impressionista (Adélia Prado) Uma ocasião, meu pai pintou a casa toda de ...

Deixe uma resposta