Lacrimae rerum

Print Friendly, PDF & Email

Lacrimae rerum (Antero de Quental)

de Sonetos

Noite, irmã da Razão e irmã da Morte,
Quantas vezes tenho eu interrogado
Teu verbo, teu oráculo sagrado,
Confidente e intérprete da Sorte!

Aonde são teus sóis, como coorte
De almas inquietas, que conduz o Fado?
E o homem porque vaga desolado
E em vão busca a certeza que o conforte?

Mas, na pompa de imenso funeral,
Muda, a noite, sinistra e triunfal,
Passa volvendo as horas vagarosas…

É tudo, em torno a mim, dúvida e luto;
E, perdido num sonho imenso, escuto
O suspiro das coisas tenebrosas…

Publicações relacionadas

O ter deveres, que prolixa coi... O ter deveres, que prolixa coisa! (Álvaro de Campos) O ter deveres, que proli...
Canção da mais alta torre Canção da mais alta torre (Arthur Rimbaud) Tradução de...
Só (Florbela Espanca) Eu tenho pena da Lua! Tanta pena, coitadinha, Quando ...
Aparição Aparição (Cruz e Souza) Por uma estrada de astros e perfumes A Sa...

Deixe uma resposta