Nunca Sei

Print Friendly, PDF & Email

Nunca Sei (Alberto Caeiro)

Nunca sei como é que se pode achar um poente triste.
Só se é por um poente não ter uma madrugada.
Mas se ele é um poente, como é que ele havia de ser uma madrugada?

Publicações relacionadas

Aos Leitores Amigos Aos Leitores Amigos (Johann Wofgang von Goethe) Poetas não podem calar-se, Q...
Abandonada Abandonada (Augusto dos Anjos) Ao meu irmão Odilon dos Anjos Bem depressa ...
A carniça A carniça (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Álvaro Reis Lembras-te...
Quando Tornar a Vir a Primaver... Quando Tornar a Vir a Primavera (Alberto Caeiro) Quando tornar a vir a Prima...

Deixe uma resposta