Clamando…

Print Friendly, PDF & Email

Clamando… (Cruz e Souza)

Bárbaros vãos, dementes e terríveis
Bonzos tremendos de ferrenho aspeto,
Ah! deste ser todo o clarão secreto
Jamais pôde inflamar-vos, Impassíveis!

Tantas guerras bizarras e incoercíveis
No tempo e tanto, tanto imenso afeto,
São para vós menos que um verme e inseto
Na corrente vital pouco sensíveis.

No entanto nessas guerras mais bizarras
De sol, clarins e rútilas fanfarras,
Nessas radiantes e profundas guerras…

As minhas carnes se dilaceraram
E vão, das llusões que flamejaram,
Com o próprio sangue fecundando as terras…

Publicações relacionadas

Passou a Diligência Passou a Diligência (Alberto Caeiro) ...
Perguntas de um operário que l... Perguntas de um operário que lê (Bertold Brecht) Quem construiu Tebas, a das ...
A Ilha de Cipango A Ilha de Cipango (Augusto dos Anjos) Estou sozinho! A estrada se desdobra C...
Tão linda e serena e bela Tão linda e serena e bela (Mário Quintana) Coração que bate-bate... Antes ...

Deixe uma resposta