Clamando…

Print Friendly, PDF & Email

Clamando… (Cruz e Souza)

Bárbaros vãos, dementes e terríveis
Bonzos tremendos de ferrenho aspeto,
Ah! deste ser todo o clarão secreto
Jamais pôde inflamar-vos, Impassíveis!

Tantas guerras bizarras e incoercíveis
No tempo e tanto, tanto imenso afeto,
São para vós menos que um verme e inseto
Na corrente vital pouco sensíveis.

No entanto nessas guerras mais bizarras
De sol, clarins e rútilas fanfarras,
Nessas radiantes e profundas guerras…

As minhas carnes se dilaceraram
E vão, das llusões que flamejaram,
Com o próprio sangue fecundando as terras…

Publicações relacionadas

Alguien Alguien (Jorge Luis Borges) Un hombre trabajado por el tiempo, un hombre qu...
Meu Sonho Meu Sonho (Alvares Azevedo) Eu Cavaleiro das armas escuras, Onde vais pelas...
Murmúrio Murmúrio (Cecília Meireles) Traze-me um pouco das sombras serenas que as nu...
Presa do ódio Presa do ódio (Cruz e Souza) Da tu'alma na funda galeria Descendo às vezes, ...

Deixe uma resposta