Clamando…

Print Friendly, PDF & Email

Clamando… (Cruz e Souza)

Bárbaros vãos, dementes e terríveis
Bonzos tremendos de ferrenho aspeto,
Ah! deste ser todo o clarão secreto
Jamais pôde inflamar-vos, Impassíveis!

Tantas guerras bizarras e incoercíveis
No tempo e tanto, tanto imenso afeto,
São para vós menos que um verme e inseto
Na corrente vital pouco sensíveis.

No entanto nessas guerras mais bizarras
De sol, clarins e rútilas fanfarras,
Nessas radiantes e profundas guerras…

As minhas carnes se dilaceraram
E vão, das llusões que flamejaram,
Com o próprio sangue fecundando as terras…

Publicações relacionadas

Se souberas falar também falar... Se souberas falar também falarás (Gregório de Matos) Se souberas falar também...
Último Soneto Último Soneto (Álvares de Azevedo) Já da noite o palor me cobre o rosto,...
A Noite Desce A Noite Desce (Alberto Caeiro) A noite desce, o calor soçobra um pouco...
As litanias de Satã I As litanias de Satã I (Charles Pierre Baudelaire) Ó tu, o Anjo mais belo e ta...

Deixe uma resposta