Cristo de Bronze

Print Friendly, PDF & Email

Cristo de Bronze (Cruz e Souza)

Ó Cristos de ouro, de marfim, de prata,
Cristos ideais, serenos, luminosos,
Ensangüentados Cristos dolorosos
Cuja cabeça a Dor e a Luz retrata.

Ó Cristos de altivez intemerata,
Ó Cristos de metais estrepitosos
Que gritam como os tigres venenosos
Do desejo carnal que enerva e mata.

Cristos de pedra, de madeira e barro…
Ó Cristo humano, estético, bizarro,
Amortalhado nas fatais injurias…

Na rija cruz aspérrima pregado
Canta o Cristo de bronze do Pecado,
Ri o Cristo de bronze das luxúrias!…

Publicações relacionadas

A morte absoluta A morte absoluta (Manuel Bandeira) Morrer. Morrer de corpo e de alma. Compl...
Eu sou trezentos Eu sou trezentos (Mário de Andrade) Eu sou trezentos, sou trezentos-e-cincoen...
Antes do nome Antes do nome (Adélia Prado) Não me importa a palavra, esta corriqueira. Qu...
Se Depois de Eu Morrer Se Depois de Eu Morrer (Alberto Caeiro) Se depois de eu morrer, quiserem es...

Deixe uma resposta