Paisagem N.º 1

Print Friendly, PDF & Email

Paisagem N.º 1 (Mário de Andrade)

Minha Londres das neblinas finas!
Pleno verão. Os dez mil milhões de rosas paulistanas.
Há neve de perfumes no ar.
Faz frio, muito frio…
E a ironia das pernas das costureirinhas
parecidas com bailarinas…
O vento é como uma navalha
nas mãos dum espanhol. Arlequinal!…
Há duas horas queimou Sol.
Daqui a duas horas queima Sol.

Passa um São Bobo, cantando, sob os plátanos,
um tralálá… A guarda-cívica! Prisão!
Necessidade a prisão
para que haja civilização?
Meu coração sente-se muito triste…
Enquanto o cinzento das ruas arrepiadas
dialoga um lamento com o vento…

Meu coração sente-se muito alegre!
Este friozinho arrebitado
dá uma vontade de sorrir!

E sigo. E vou sentindo,
à inquieta alacridade da invernia,
como um gosto de lágrimas na boca…

Publicações relacionadas

Sobre a violência Sobre a violência (Bertold Brecht) A corrente impetuosa é chamada de violenta...
Preceito 05 Preceito 05 (Gregório de Matos) Vamos ao quinto preceito, Santo Antônio v...
Transgressões Transgressões (Mario Benedetti) Do livro "P...
De que cor? De que cor? (Nicolás Guillén) De...

Deixe uma resposta