Paisagem N.º 1

Print Friendly, PDF & Email

Paisagem N.º 1 (Mário de Andrade)

Minha Londres das neblinas finas!
Pleno verão. Os dez mil milhões de rosas paulistanas.
Há neve de perfumes no ar.
Faz frio, muito frio…
E a ironia das pernas das costureirinhas
parecidas com bailarinas…
O vento é como uma navalha
nas mãos dum espanhol. Arlequinal!…
Há duas horas queimou Sol.
Daqui a duas horas queima Sol.

Passa um São Bobo, cantando, sob os plátanos,
um tralálá… A guarda-cívica! Prisão!
Necessidade a prisão
para que haja civilização?
Meu coração sente-se muito triste…
Enquanto o cinzento das ruas arrepiadas
dialoga um lamento com o vento…

Meu coração sente-se muito alegre!
Este friozinho arrebitado
dá uma vontade de sorrir!

E sigo. E vou sentindo,
à inquieta alacridade da invernia,
como um gosto de lágrimas na boca…

Publicações relacionadas

El sur El sur (Jorge Luis Borges) Desde uno de tus patios haber mirado las antiguas...
El mañana efímero El mañana efímero (Antonio Machado) A Roberto Castrovido La España de ...
Cultivo una rosa blanca Cultivo una rosa blanca (José Martí) De Versos Sencillos...
Reyerta Reyerta (Federico Garcia Lorca) En la mitad del barranco las navajas de Alba...

Deixe uma resposta