Ecos d’Alma

Print Friendly, PDF & Email

Ecos d’Alma (Augusto dos Anjos)

Oh! madrugada de ilusões, santíssima,
Sombra perdida lá do meu Passado,
Vinde entornar a clâmide puríssima
Da luz que fulge no ideal sagrado!

Longe das tristes noutes tumulares
Quem me dera viver entre quimeras,
Por entre o resplandor das Primaveeras
Oh! madrugada azul dos meus sonhares;

Mas quando vibrar a última balada
Da tarde e se calar a passarada
Na bruma sepulcral que o céu embaça,

Quem me dera morrer então risonho,
Fitando a nebulosa do meu Sonho
E a Via-Láctea da Ilusão que passa.

Publicações relacionadas

Sou meu hóspede Sou meu hóspede (Mario Benedetti) Do livro "...
Os Pastores de Virgílio Os Pastores de Virgílio (Alberto Caeiro) ...
Versos d’um Exilado Versos d’um Exilado (Augusto dos Anjos) Eu vou partir. Na límpida corrente R...
O Fim Das Coisas O Fim Das Coisas (Augusto dos Anjos) Pode o homem bruto, adstricto à ciência ...

Deixe uma resposta