Duas Estrofes

Print Friendly, PDF & Email

Duas Estrofes (Augusto dos Anjos)

A queda do teu lírico arrabil
De um sentimento português ignoto
Lembra Lisboa, bela como um brinco,
Que um dia no ano trágico de mil
E setecentos e cincoenta e cinco,
Foi abalada por um terremoto!

A água quieta do Tejo te abençoa.
Tu representas toda essa Lisboa
De glórias quase sobrenaturais,
Apenas com uma diferença triste,
Com a diferença que Lisboa existe
E tu, amigo, não existes mais!

Publicações relacionadas

Spleen e Charutos Spleen e Charutos (Álvares de Azevedo) I SOLIDÃO Nas nuvens cor de cinz...
Inconstância dos bens do mundo... Inconstância dos bens do mundo (Gregório de Matos) Nasce o Sol, e não dura ma...
Velho sobrado Velho sobrado (Cora Coralina) Um montão disforme. Taipas e pedras, abraçada...
Lendo Horácio Lendo Horácio (Bertold Brecht) Mesmo o diluvio Não durou eternamente. Veio ...

Deixe uma resposta