Tratado geral das grandezas do ínfimo

Print Friendly, PDF & Email

Tratado geral das grandezas do ínfimo (Manoel de Barros)

A poesia está guardada nas palavras — é tudo que eu sei.

Meu fado é o de não saber quase tudo.
Sobre o nada eu tenho profundidades.
Não tenho conexões com a realidade.

Poderoso para mim não é aquele que descobre ouro.
Para mim poderoso é aquele que descobre as insignificâncias (do mundo e as nossas).
Por essa pequena sentença me elogiaram de imbecil.

Fiquei emocionado.
Sou fraco para elogio.

Publicações relacionadas

Lacrimae rerum Lacrimae rerum (Antero de Quental) ...
Mote Mote (Gregório de Matos) De dous ff se compõe esta cidade a meu ver ...
La poesia La poesia (Octavio Paz) Llegas, silenciosa, secreta, y despiertas los furor...
Anseio Anseio (Augusto dos Anjos) Quem sou eu, neste ergástulo das vidas Danadament...

Deixe uma resposta