Tratado geral das grandezas do ínfimo

Print Friendly, PDF & Email

Tratado geral das grandezas do ínfimo (Manoel de Barros)

A poesia está guardada nas palavras — é tudo que eu sei.

Meu fado é o de não saber quase tudo.
Sobre o nada eu tenho profundidades.
Não tenho conexões com a realidade.

Poderoso para mim não é aquele que descobre ouro.
Para mim poderoso é aquele que descobre as insignificâncias (do mundo e as nossas).
Por essa pequena sentença me elogiaram de imbecil.

Fiquei emocionado.
Sou fraco para elogio.

Publicações relacionadas

O descalabro a ócio e estrelas... O descalabro a ócio e estrelas... (Álvaro de Campos) O descalabro a ócio e es...
Terza Rima Terza Rima (Álvares de Azevedo) É belo dentre a cinza ver ardendo Nas mãos d...
Dia Dia (Adélia Prado) As galinhas com susto abrem o bico e param daquele jeito ...
A João de Deus A João de Deus (Antero de Quental) Na mão de Deus, na sua mão direita, Desca...

Deixe uma resposta