Tratado geral das grandezas do ínfimo

Print Friendly, PDF & Email

Tratado geral das grandezas do ínfimo (Manoel de Barros)

A poesia está guardada nas palavras — é tudo que eu sei.

Meu fado é o de não saber quase tudo.
Sobre o nada eu tenho profundidades.
Não tenho conexões com a realidade.

Poderoso para mim não é aquele que descobre ouro.
Para mim poderoso é aquele que descobre as insignificâncias (do mundo e as nossas).
Por essa pequena sentença me elogiaram de imbecil.

Fiquei emocionado.
Sou fraco para elogio.

Publicações relacionadas

Queixas da sua mesma verdade Queixas da sua mesma verdade (Gregório de Matos) Quer-me mal esta cidade........
Aos caramurus da Bahia Aos caramurus da Bahia (Gregório de Matos) Um calção de pindoba à meia zorra ...
Aprendiz do Espanto Aprendiz do Espanto (Thiago de Mello Não deflorei ninguém. A primeira mulh...
As catadeiras de piolhos As catadeiras de piolhos (Arthur Rimbaud) Tradução de R.Magalhães Junior ...

Deixe uma resposta