No alto

Print Friendly, PDF & Email
No alto(Machado de Assis)

O poeta chegara ao alto da montanha,
E quando ia a descer a vertente do oeste,
Viu uma cousa estranha,
Uma figura má.

Então, volvendo o olhar ao subtil, ao celeste,
Ao gracioso Ariel, que de baixo o acompanha,
Num tom medroso e agreste
Pergunta o que será.

Como se perde no ar um som festivo e doce,
Ou bem como se fosse
Um pensamento vão,

Ariel se desfez sem lhe dar mais resposta.
Para descer a encosta
O outro lhe deu a mão.

Publicações relacionadas

Para o livro do Aníbal Beça Para o livro do Aníbal Beça (Thiago de Mello Não faço prefácio. Faço um can...
Diferente Diferente (Arnaldo Antunes) tá tudo tão diferente eles são tão parecidos mas...
Se Depois de Eu Morrer Se Depois de Eu Morrer (Alberto Caeiro) Se depois de eu morrer, quiserem es...
Aninha e suas pedras Aninha e suas pedras (Cora Coralina) (Outubro, 198...

Deixe uma resposta