No alto

Print Friendly, PDF & Email
No alto(Machado de Assis)

O poeta chegara ao alto da montanha,
E quando ia a descer a vertente do oeste,
Viu uma cousa estranha,
Uma figura má.

Então, volvendo o olhar ao subtil, ao celeste,
Ao gracioso Ariel, que de baixo o acompanha,
Num tom medroso e agreste
Pergunta o que será.

Como se perde no ar um som festivo e doce,
Ou bem como se fosse
Um pensamento vão,

Ariel se desfez sem lhe dar mais resposta.
Para descer a encosta
O outro lhe deu a mão.

Publicações relacionadas

Explicação de poesia sem ningu... Explicação de poesia sem ninguém pedir (Adélia Prado) Um trem-de-ferro é uma ...
O Cúmplice O Cúmplice (Jorge Luis Borges) Tradução Me crucificaram e eu devo ser a cr...
Cessa o teu canto! Cessa o teu canto! (Fernando Pessoa) Cessa o teu canto! Cessa, que, enqua...
Alguns Toureiros Alguns Toureiros (João Cabral de Melo Neto) a Antôn...

Deixe uma resposta