No alto

Print Friendly, PDF & Email
No alto(Machado de Assis)

O poeta chegara ao alto da montanha,
E quando ia a descer a vertente do oeste,
Viu uma cousa estranha,
Uma figura má.

Então, volvendo o olhar ao subtil, ao celeste,
Ao gracioso Ariel, que de baixo o acompanha,
Num tom medroso e agreste
Pergunta o que será.

Como se perde no ar um som festivo e doce,
Ou bem como se fosse
Um pensamento vão,

Ariel se desfez sem lhe dar mais resposta.
Para descer a encosta
O outro lhe deu a mão.

Publicações relacionadas

Perfume exótico Perfume exótico (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Osório Dutra Quan...
Idealização da Humanidade Futu... Idealização da Humanidade Futura (Augusto dos Anjos) Rugia nos meus centros c...
As Cismas do Destino As Cismas do Destino (Augusto dos Anjos) I Recife. Ponte Buarque de Macedo...
Digo sim Digo sim (Ferreira Gullar) Poderia dizer que a vida é bela, e muito, e qu...

Deixe uma resposta