Suave Mari Magno

Print Friendly, PDF & Email
Suave Mari Magno(Machado de Assis)

Lembra-me que, em certo dia,
Na rua, ao sol de verão,
Envenenado morria
Um pobre cão.
Arfava, espumava e ria,
De um riso espúrio e bufão,
Ventre e pernas sacudia
Na convulsão.

Nenhum, nenhum curioso
Passava, sem se deter,
Silencioso,

Junto ao cão que ia morrer,
Como se lhe desse gozo
Ver padecer.
Lembra-me que, em certo dia,
Na rua, ao sol de verão,
Envenenado morria
Um pobre cão.
Arfava, espumava e ria,
De um riso espúrio e bufão,
Ventre e pernas sacudia
Na convulsão.

Nenhum, nenhum curioso
Passava, sem se deter,
Silencioso,

Junto ao cão que ia morrer,
Como se lhe desse gozo
Ver padecer.

Publicações relacionadas

De alma em alma De alma em alma (Cruz e Souza) Tu andas de alma em alma errando, errando, co...
A Esperança A Esperança (Augusto dos Anjos) A Esperança não murcha, ela não cansa, També...
Sou um caso perdido Sou um caso perdido (Mario Benedetti) Do liv...
Impossível Impossível (Vladmir Maiakowski) Tradução de E. Ca...

Deixe uma resposta