Suave Mari Magno

Print Friendly, PDF & Email
Suave Mari Magno(Machado de Assis)

Lembra-me que, em certo dia,
Na rua, ao sol de verão,
Envenenado morria
Um pobre cão.
Arfava, espumava e ria,
De um riso espúrio e bufão,
Ventre e pernas sacudia
Na convulsão.

Nenhum, nenhum curioso
Passava, sem se deter,
Silencioso,

Junto ao cão que ia morrer,
Como se lhe desse gozo
Ver padecer.
Lembra-me que, em certo dia,
Na rua, ao sol de verão,
Envenenado morria
Um pobre cão.
Arfava, espumava e ria,
De um riso espúrio e bufão,
Ventre e pernas sacudia
Na convulsão.

Nenhum, nenhum curioso
Passava, sem se deter,
Silencioso,

Junto ao cão que ia morrer,
Como se lhe desse gozo
Ver padecer.

Publicações relacionadas

Cantiga do Neno da Tenda Cantiga do Neno da Tenda (Federico Garcia Lorca) Seis Poemas Galegos (1935) ...
Vive Vive (Alberto Caeiro) Vive, dizes, no presente, Vive só no presente. Mas ...
A caridade A caridade (Augusto dos Anjos) No universo a caridade Em contraste ao vício ...
O céu O céu (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Wenceslau de Queiroz Por...

Deixe uma resposta