Suave Mari Magno

Print Friendly, PDF & Email
Suave Mari Magno(Machado de Assis)

Lembra-me que, em certo dia,
Na rua, ao sol de verão,
Envenenado morria
Um pobre cão.
Arfava, espumava e ria,
De um riso espúrio e bufão,
Ventre e pernas sacudia
Na convulsão.

Nenhum, nenhum curioso
Passava, sem se deter,
Silencioso,

Junto ao cão que ia morrer,
Como se lhe desse gozo
Ver padecer.
Lembra-me que, em certo dia,
Na rua, ao sol de verão,
Envenenado morria
Um pobre cão.
Arfava, espumava e ria,
De um riso espúrio e bufão,
Ventre e pernas sacudia
Na convulsão.

Nenhum, nenhum curioso
Passava, sem se deter,
Silencioso,

Junto ao cão que ia morrer,
Como se lhe desse gozo
Ver padecer.

Publicações relacionadas

Filho da Floresta, Água e Made... Filho da Floresta, Água e Madeira (Thiago de Mello Filho da floresta, água...
A lagartixa A lagartixa (Álvares de Azevedo) A lagartixa ao sol ardente vive, E fazendo ...
Canción del jinete Canción del jinete (Federico Garcia Lorca) Córdoba. Lejana y sola. Jaca...
Dilacerações Dilacerações (Cruz e Souza) Ó carnes que eu amei sangrentamente, ...

Deixe uma resposta