Serpentes de cabelos

Print Friendly, PDF & Email

Serpentes de cabelos (Augusto dos Anjos)

A tua trança negra e desmanchada
Por sobre o corpo nu, torso inteiriço,
Claro, radiante de esplendor e viço,
Ah! lembra a noite de astros apagada.

Luxúria deslumbrante e aveludada
Através desse mármore maciço
Da carne, o meu olhar nela espreguiço
Felinamente, nessa trance ondeada.

E fico absorto, num torpor de coma,
Na sensação narcótica do aroma,
Dentre a vertigem túrbida dos zeros.

És a origem do Mal, és a nervosa
Serpente tentadora e tenebrosa,
Tenebrosa serpente de cabelos!…

Publicações relacionadas

Inventario galante Inventario galante (Antonio Machado) Tus ojos me recuerdan las noches de ve...
A meditação sobre o Tietê A meditação sobre o Tietê (Mário de Andrade) Porque os homens não me escutam!...
Meninos carvoeiros Meninos carvoeiros (Manuel Bandeira) Os meninos carvoeiros Passam a caminho ...
Canto a mim mesmo Canto a mim mesmo (Walt Whitman) ... Existo como sou, isso é o que basta: ...

Deixe uma resposta