Soneto de natal

Print Friendly, PDF & Email
Soneto de natal(Machado de Assis)

Um homem, — era aquela noite amiga,
Noite cristã, berço do Nazareno, —
Ao relembrar os dias de pequeno,
E a viva dança, e a lépida cantiga,

Quis transportar ao verso doce e ameno
As sensações da sua idade antiga,
Naquela mesma velha noite amiga,
Noite cristã, berço do Nazareno.

Escolheu o soneto . . . A folha branca
Pede-lhe a inspiração; mas, frouxa e manca,
A pena não acode ao gesto seu.

E, em vão lutando contra o metro adverso,
Só lhe saiu este pequeno verso:
“Mudaria o Natal ou mudei eu?”

Publicações relacionadas

Círculo vicioso Círculo vicioso (Machado de Assis) Bailando no ar, gemia inquieto vagalume: ...
O Utopista O Utopista (Murilo Mendes) Ele acredita que o chão é duro Que todos os homen...
Vozes do Mar Vozes do Mar (Florbela Espanca) Quando o sol vai caindo sobre as águas Num n...
Um sentido para a vida Um sentido para a vida - trechos do livro (Antoine de Saint-Exupéry) Trechos ...

Deixe uma resposta