Soneto de natal

Print Friendly, PDF & Email
Soneto de natal(Machado de Assis)

Um homem, — era aquela noite amiga,
Noite cristã, berço do Nazareno, —
Ao relembrar os dias de pequeno,
E a viva dança, e a lépida cantiga,

Quis transportar ao verso doce e ameno
As sensações da sua idade antiga,
Naquela mesma velha noite amiga,
Noite cristã, berço do Nazareno.

Escolheu o soneto . . . A folha branca
Pede-lhe a inspiração; mas, frouxa e manca,
A pena não acode ao gesto seu.

E, em vão lutando contra o metro adverso,
Só lhe saiu este pequeno verso:
“Mudaria o Natal ou mudei eu?”

Publicações relacionadas

Sou um Guardador de Rebanhos Sou um Guardador de Rebanhos (Alberto Caeiro) ...
Ao sol do meio-dia eu vi dormi... Ao sol do meio-dia eu vi dormindo - Soneto (Álvares de Azevedo) Ao sol do mei...
A Mulher que Passa A Mulher que Passa (Vinicius de Moraes Meu Deus, eu quero a mulher que passa ...
Arte poética Arte poética (Mario Benedetti) Do livro "Per...

Deixe uma resposta