Torre de ouro

Print Friendly, PDF & Email

Torre de ouro (Cruz e Souza)

Desta torre desfraldam-se altaneiras,
Por sóis de céus imensos broqueladas,
Bandeiras reais, do azul das madrugadas
E do íris flamejante das poncheiras.

As torres de outras regiões primeiras
No Amor, nas Glórias vãs arrebatadas
Não elevam mais alto, desfraldadas,
Bravas, triunfantes, imortais bandeiras.

São pavilhões das hostes fugitivas,
Das guerras acres, sanguinárias, vivas,
Da luta que os Espíritos ufana.

Estandartes heróicos, palpitantes,
Vendo em marcha passe aniquilantes
As torvas catapultas do Nirvana!

Publicações relacionadas

Todavía Todavía (Mario Benedetti) No lo creo todavía estás llegando a mi lado y l...
Um mancebo no jogo se descora Um mancebo no jogo se descora - Soneto (Álvares de Azevedo) Um mancebo no jog...
Insânia de um Simples Insânia de um Simples (Augusto dos Anjos) Em cismas patológicas insanas, É-m...
A Louca A Louca (Augusto dos Anjos) A Dias Paredes Quando ela passa: - a veste des...

Deixe uma resposta