A Nau

Print Friendly, PDF & Email

A Nau (Augusto dos Anjos)

A Heitor Lima

Sôfrega, alçando o hirto esporão guerreiro,
Zarpa. A íngreme cordoalha úmida fica. …
Lambe-lhe a quilha a espúmea onda impudica
E ébrios tritões, babando, haurem-lhe o cheiro

Na glauca artéria equórea ou no estaleiro
Ergue a alta mastreação, que o éter indica,
E estende os braços de madeira rica
Para as populações do mundo inteiro!

Aguarda-a ampla reentrância de angra horrenda
Pára e, a amarra agarrada à âncora, sonha!
Mágoas, se as tem, subjugue-as ou disfarce-as…

E não haver uma alma que lhe entenda
A angústia transoceânica medonha
No rangido de todas as enxárcias!

Publicações relacionadas

Evolução Evolução (Antero de Quental) de ...
Arraiada Arraiada (Mário de Andrade) Manhãnzinha A italiana vem na praia do ribeirão....
Aurora morta, foge! Aurora morta, foge! (Augusto dos Anjos) Soneto Aurora morta, foge! Eu busc...
Fundación mítica de Buenos Air... Fundación mítica de Buenos Aires (Jorge Luis Borges) ¿Y fue por este río de s...

Deixe uma resposta