A um poeta Saxônio

Print Friendly, PDF & Email

A um poeta Saxônio (Jorge Luis Borges)

Tradução

Tu cuja carne, hoje dispersão e pó,
Pesou como a nossa sobre a terra,
Tu cujos olhos viram o sol, essa famosa estrela,
Tu que viestes não no rígido outrora
Mas sim no incessante presente,
No último ponto e ápice vertiginoso do tempo,
Tu que em teu monastério fostes chamado
Pela voz antiga do épico,
Tu que tecestes as palavras,
Tu que cantastes a vitória de Brunanburh
E não atribuístes ao Senhor
Se não a espada de teu rei,
Tu que com júbilo feroz cantastes,
A humilhação do viking,
O festim do corvo e da águia,
Tu que na oda militar congregastes
As rituais metáforas da estirpe,
Tu que em um tempo sem história
Viste no agora o outrora
E no suor e sangue de Brunanburh
Um cristal de antigas auroras,
Tu que tanto querias a tua Inglaterra
E não a nomeastes,
Hoje não és mais que umas palavras
Que os germanistas anotam.
Hoje não és outra coisa que minha voz
Quando revive tuas palavras de ferro.

Peço a meus deuses ou a soma do tempo,
que meus dias mereçam o esquecimento,
que meu nome seja Ninguém como o de Ulisses,

mas qu algum verso perdure
na noite propícia a memória
ou nas manhãs dos homens.

Publicações relacionadas

Confidência do Itabirano Confidência do Itabirano (Carlos Drummond de Andrade) Alguns anos vivi em Ita...
O Último poema O Último poema (Manuel Bandeira) Assim eu quereria o meu último poema Que f...
Um paiá de Monai, bonzo bramá... Um paiá de Monai, bonzo bramá (Gregório de Matos) Um paiá de Monai, bonzo bra...
Regina Coeli Regina Coeli (Cruz e Souza) Ó Virgem branca, Estrela dos altares, ...

Deixe uma resposta