A chuva

Print Friendly, PDF & Email

A chuva (Jorge Luis Borges)

Tradução

Bruscamente a tarde se clariou
Porque já cai a chuva minuciosa.
Cai ou caiu. A chuva é uma coisa
Que sem dúvidas acontece no passado.

Quem escuta cair há recobrado
O tempo em que a sorte venturosa
Lhe revelou uma flor chamada rosa
E a curiosa cor do vermelho.

Esta chuva que cega os cristais
Alegrará em perdidos arredores
As negra uvas de uma videira certamente

Pátio que já não existe. A molhada
Tarde me trai a voz, a voz desejada,
De meu pai que retorna e que não morreu.

Publicações relacionadas

O Caixão Fantástico O Caixão Fantástico (Augusto dos Anjos) Célere ia o caixão, e, nele, inclusas...
Dinheiro Dinheiro (Álvares de Azevedo) Oh! argent! Avec toi on est beau, jeune, adoré;...
Com os mortos Com os mortos (Antero de Quental) ...
A João de Deus A João de Deus (Antero de Quental) Se é lei, que rege o escuro pensamento, S...

Deixe uma resposta