Nunca Mais!

Print Friendly, PDF & Email

Nunca Mais! (Florbela Espanca)

Ó castos sonhos meus! Ó mágicas visões!
Quimeras cor de sol de fúlgidos lampejos!
Dolentes devaneios! Cetíneas ilusões!
Bocas que foram minhas florescendo beijos!

Vinde beijar-me a fronte ao menos um instante,
Que eu sinta esse calor, esse perfume terno;
Vivo a chorar a porta aonde outrora o Dante
Deixou toda a esp’rança ao penetrar o inferno!

Vinde sorrir-me ainda!Hei-de morrer contente
Cantando uma canção alegre, doidamente,
A luz desse sorriso, ó fugitivos ais!

Vinde beijar-me a boca ungir-me de saudade
Ó sonhos cor de sol da minha mocidade!
Cala-te lá destino!… “Ó Nunca, nunca mais!…”

Publicações relacionadas

À Capela do Almeida À Capela do Almeida (Castro Alves) GRATO oásis do viajante, Terra de lindos ...
Sobre a violência Sobre a violência (Bertold Brecht) A corrente impetuosa é chamada de violenta...
Esta Tarde a Trovoada Caiu Esta Tarde a Trovoada Caiu (Alberto Caeiro) ...
Infeliz Infeliz (Augusto dos Anjos) Alma viúva das paixões da vida, Tu que, na estra...

Deixe uma resposta