Nicolás Guillén

A muralha

Print Friendly, PDF & Email

A muralha (Nicolás Guillén)

“La Paloma de Vuelo Popular” – 1958
Tradução de Thiago de Mello

Para erguer esta muralha
me tragam todas as mãos;
os negros, suas mãos negras,
os brancos, as brancas mãos.

Ai,
uma muralha que vá
desde a praia até a montanha,
da montanha à praia, bem,
lá sobre o horizonte.

– Tun, tun!
– Quem és?
– Uma rosa e um cravo…
– Abre a muralha!
– Tun, tun!
– Quem és?
– O sabre do coronel…
– Fecha a muralha!
– Tun, tun!
– Quem és?
– A pomba e o cravo…
– Abre a muralha!
– Tun, tun!
– Quem és?
– O escorpião e a centopéia…
– Fecha a muralha!

Ao coração do amigo,
abre a muralha;
ao veneno e ao punhal,
fecha a muralha;
à mirta e à hortelã,
abre a muralha;
ao dente da serpente,
fecha a muralha;
ao rouxinol na flor,
abre a muralha…

Ergamos uma muralha
juntando todas as mãos:
os negros, suas mãos negras,
os brancos, as brancas mãos.
Uma muralha que vá
desde a praia até a montanha,
desde a montanha até a praia, bem,
lá sobre o horizonte…

Publicações relacionadas

A Louca A Louca (Augusto dos Anjos) A Dias Paredes Quando ela passa: - a veste des...
Romanxe de Nossa Señora da Bar... Romanxe de Nossa Señora da Barca (Federico Garcia Lorca) Seis Poemas Galegos ...
Là-Bas, Je ne sais où… Là-Bas, Je ne sais où... (Álvaro de Campos) Véspera de viagem, campainha... ...
Expulso Por Bom Motivo Expulso Por Bom Motivo (Bertold Brecht) Eu cresci como filho De gente abasta...

Deixe uma resposta