Nicolás Guillén

A muralha

Print Friendly, PDF & Email

A muralha (Nicolás Guillén)

“La Paloma de Vuelo Popular” – 1958
Tradução de Thiago de Mello

Para erguer esta muralha
me tragam todas as mãos;
os negros, suas mãos negras,
os brancos, as brancas mãos.

Ai,
uma muralha que vá
desde a praia até a montanha,
da montanha à praia, bem,
lá sobre o horizonte.

– Tun, tun!
– Quem és?
– Uma rosa e um cravo…
– Abre a muralha!
– Tun, tun!
– Quem és?
– O sabre do coronel…
– Fecha a muralha!
– Tun, tun!
– Quem és?
– A pomba e o cravo…
– Abre a muralha!
– Tun, tun!
– Quem és?
– O escorpião e a centopéia…
– Fecha a muralha!

Ao coração do amigo,
abre a muralha;
ao veneno e ao punhal,
fecha a muralha;
à mirta e à hortelã,
abre a muralha;
ao dente da serpente,
fecha a muralha;
ao rouxinol na flor,
abre a muralha…

Ergamos uma muralha
juntando todas as mãos:
os negros, suas mãos negras,
os brancos, as brancas mãos.
Uma muralha que vá
desde a praia até a montanha,
desde a montanha até a praia, bem,
lá sobre o horizonte…

Publicações relacionadas

Quem cá quiser viver, seja um ... Quem cá quiser viver, seja um Gatão (Gregório de Matos) Se souberas falar tam...
Carta ao Acaso Carta ao Acaso (Paulo Leminski) a carta do baralho grande gilete corta sem ...
Alguns Toureiros Alguns Toureiros (João Cabral de Melo Neto) a Antôn...
Os formais e o frio Os formais e o frio (Mario Benedetti) Do livr...

Deixe uma resposta