Manuscritos de Felipa

Print Friendly, PDF & Email

Manuscritos de Felipa – trechos do livro (Adélia Prado)

“Preciso descobrir se é errado falar palavrões. É tão bom! Se for certo, nas horas de necessidade, é claro, posso dispensar o travesseiro que já está furado de tanto eu dar murro nele.”

“Somos todos insuportáveis por causa do medo.”

“Ninguém me chame pra lugar nenhum. Minha viagem é em minha própria casa, grande demais pra meu gosto. Quero um quarto, preciso de um cômodo só, quero uma cela, estou entrópica. ”

“Quero a verdade, mas não muito, não toda, por partes, se puder, em pequenos torrões. Com chá, por causa do medo que voltou, o deus terrível que me quer escrava e a quem temo deixar, com medo de morrer afogada pelo excesso de ar, viciada que estou em pequeninos gritos, suspiros abafados, lágrimas prestes a cair.”

“Minha libido está desaparecendo, a cara nojenta do medo dá o ar da sua graça. A velha está com medo e não existe chupeta pra anciãs.”

“Deus me abreviou os dias tormentosos. Me pôs em maio. Estou em maio. Tenho olhos de novo para moitas floridas margeando a estrada…”

“A beleza cresce quando a entendo? ”

Prado, Adélia – Manuscritos de Felipa / Adélia Prado – São Paulo: Siciliano, 1999.ISBN 85-267-0830-9

Publicações relacionadas

Exausto Exausto (Adélia Prado) Eu quero uma licença de dormir, perdão pra descansa...
Thamar y Amnón Thamar y Amnón (Federico Garcia Lorca) A las cinco de la tarde. Eran las ci...
Toada sem alcool Toada sem alcool (Mário de Andrade) ... Ninguém sabe da solitude Que enche ...
Todas as Opiniões Todas as Opiniões (Alberto Caeiro) Todas as opiniões que há sobre a Naturez...

Deixe uma resposta