Manuscritos de Felipa

Print Friendly, PDF & Email

Manuscritos de Felipa – trechos do livro (Adélia Prado)

“Preciso descobrir se é errado falar palavrões. É tão bom! Se for certo, nas horas de necessidade, é claro, posso dispensar o travesseiro que já está furado de tanto eu dar murro nele.”

“Somos todos insuportáveis por causa do medo.”

“Ninguém me chame pra lugar nenhum. Minha viagem é em minha própria casa, grande demais pra meu gosto. Quero um quarto, preciso de um cômodo só, quero uma cela, estou entrópica. ”

“Quero a verdade, mas não muito, não toda, por partes, se puder, em pequenos torrões. Com chá, por causa do medo que voltou, o deus terrível que me quer escrava e a quem temo deixar, com medo de morrer afogada pelo excesso de ar, viciada que estou em pequeninos gritos, suspiros abafados, lágrimas prestes a cair.”

“Minha libido está desaparecendo, a cara nojenta do medo dá o ar da sua graça. A velha está com medo e não existe chupeta pra anciãs.”

“Deus me abreviou os dias tormentosos. Me pôs em maio. Estou em maio. Tenho olhos de novo para moitas floridas margeando a estrada…”

“A beleza cresce quando a entendo? ”

Prado, Adélia – Manuscritos de Felipa / Adélia Prado – São Paulo: Siciliano, 1999.ISBN 85-267-0830-9

Publicações relacionadas

Versos de orgulho Versos de orgulho (Florbela Espanca) O mundo quer-me mal porque ninguém Tem ...
É Noite É Noite (Alberto Caeiro) É noite. A noite é muito escura. Numa casa a uma gra...
Comumente é assim Comumente é assim (Vladmir Maiakowski) Cada um ao nascer traz sua dose de a...
Último aviso Último aviso (Paulo Leminski) caso alguma coisa me acontecer, informem a fa...

Deixe uma resposta