Com licença poética

Print Friendly, PDF & Email

Com licença poética (Adélia Prado)

Quando nasci um anjo esbelto,
desses que tocam trombeta, anunciou:
vai carregar bandeira.

Cargo muito pesado pra mulher,
esta espécie ainda envergonhada.
Aceito os subterfúgios que me cabem,
sem precisar mentir.

Não sou tão feia que não possa casar,
acho o Rio de Janeiro uma beleza e
ora sim, ora não, creio em parto sem dor.

Mas o que sinto escrevo. Cumpro a sina.

Inauguro linhagens, fundo reinos
– dor não é amargura.

Minha tristeza não tem pedigree,
já a minha vontade da alegria,
sua raiz vai ao meu meu avô.

Vai ser coxo na vida é maldição pra homem.
Mulher é desdobrável. Eu sou.

Publicações relacionadas

Preparação para a morte Preparação para a morte (Manuel Bandeira) A vida é um milagre. Cada flor, C...
Os Pastores de Virgílio Os Pastores de Virgílio (Alberto Caeiro) ...
Balõezinhos Balõezinhos (Manuel Bandeira) Na feira do arrabaldezinho Um homem loquaz apr...
Os Cortejos Os Cortejos (Mário de Andrade) Monotonias das minhas retinas... Serpentinas ...

Deixe uma resposta