Cantiga do Neno da Tenda

Print Friendly, PDF & Email

Cantiga do Neno da Tenda (Federico Garcia Lorca)

Seis Poemas Galegos (1935)

BOS Aires ten unha gaita
sobro do Río da Prata
que toca o vento do norde
coa súa gris boca mollada.
¡Triste Ramón de Sismundi!
Aló, na rúa Esmeralda,
basoira que te basoira
polvo d’estantes e caixas.
Ao longo das rúas infindas
os galegos paseiaban
soñando un val imposibel
na verda riba da pampa.
¡Triste Ramón de Sismundi!
Sinteu a muiñeira d’ágoa
mentres sete bois da lúa
pacían na súa lembranza.
Foise pra veira do río,
veira do Rio da Prata.
Sauces e cabalos múos
creban o vidro das ágoas.
Non atopou o xemido
malencónico da gaita,
non víu o imenso gaiteiro
coa boca frolida d’alas;
triste Ramón de Sismundi,
veira do Río da Prata,
víu na tarde amortecida
bermello muro de lama.

Publicações relacionadas

Quase Quase (Mário de Sá Carneiro) Um pouco mais de sol - eu era brasa, Um pouco m...
Não Basta Não Basta (Alberto Caeiro) Não basta abrir a janela Para ver os campos e ...
Não Necessito De Pedra Tumular... Não Necessito De Pedra Tumular (Bertold Brecht) Não necessito de pedra tumula...
Na rua em funeral ei-la que pa... Na rua em funeral ei-la que passa (Augusto dos Anjos) Soneto (Le...

Deixe uma resposta