As catadeiras de piolhos

Print Friendly, PDF & Email

As catadeiras de piolhos (Arthur Rimbaud)

Tradução de R.Magalhães Junior

Quando a mente do infante, em rubra tempestade,
Implora o alvo tropel dos sonhos indistintos,
Duas ternas irmãs vem, cheias de bondade,
Ao pé do leito em que despertam seus instintos.

Sentando-o junto a um vão de porta escancarada
Ao ar azul que banha os bosques e os rosais,
Na espessa cabeleira, ao mormaço orvalhada,
Passeiam com afã dedos finos, mortais…

Ele ouve-lhes cantar, lenta, a respiração,
Com doçuras de mel vegetal e rosado,
Que a espaços interrompe ou a salivação,
Ou o anseio de um beijo a custo recalculado.

Cílios, a palpitar, em morna sonolência,
No silencio aromal, ele ouve… e cerra os olhos,
Enquanto os dedos com elétrica insistência,
Dão sob as unhas reais morte aos pequenos piolhos.

O vinho da Preguiça, o nétar das delicias,
Suspiro musical, o invade e o faz sonhar…
E então, nele, incessante, ao torpor das caricias,
Surge e morre um desejo imenso de chorar..

Publicações relacionadas

Cien Sonetos de Amor – X... Cien Sonetos de Amor - XVII (Pablo Neruda) No te amo como si fueras rosa de s...
El Cómplice El Cómplice (Jorge Luis Borges) Me crucifican y yo debo ser la cruz y los cla...
Há Poetas que são Artistas Há Poetas que são Artistas (Alberto Caeiro) ...
Se Depois de Eu Morrer Se Depois de Eu Morrer (Alberto Caeiro) Se depois de eu morrer, quiserem es...

Deixe uma resposta