O dorminhoco do vale

Print Friendly, PDF & Email

O dorminhoco do vale (Arthur Rimbaud)

Tradução de Rodrigo Solano

Era um recanto verde onde um ribeiro canta,
prendendo às ervas seus farrapos de cristal
e rebrilhando ao sol que, loiro, se levanta.
Era um pequeno e verde e luminoso vale.

Sobre a erva, um soldado, a boca aberta, inclina
a fronte nua sobre os verdes agriões,
Dorme. E sobre o seu leito estende-se a neblina
e vai chorar a luz seus macios clarões.

Os pés nos juncos, face pálida e risonha,
parece uma criança adormecida; e sonha…
Aquece-o, Terra-Mãe! E acalenta-o com jeito!

Mãos sobre o seio, em cruz, dorme tranqüilamente;
nem os beijos da luz, nem os perfumes sente…
E dois cravos de sangue abrem-lhe sobre o peito.

Publicações relacionadas

Estado de ânimo Estado de ânimo (Mario Benedetti) Tradução As vezes me sinto como uma águ...
Todas as Opiniões Todas as Opiniões (Alberto Caeiro) Todas as opiniões que há sobre a Naturez...
Vou-me embora pra Pasárgada Vou-me embora pra Pasárgada (Manuel Bandeira) Vou-me embora pra Pasárgada L...
Lápide Lápide (Paulo Leminski) Lápide 1 epitáfio para o corpo Aqui jaz um g...

Deixe uma resposta