Afetos

Print Friendly, PDF & Email

Afetos (Augusto dos Anjos)

Bendito o amor que infiltra n’alma o enleio
E santifica da existência o cardo,
– Amor que é mirra e que é sagrado nardo,
Turificando a lenguidez dum seio!

O amor, porém, que da Desgraça veio
Maldito seja, seja como o fardo
Desta descrença funeral em que ardo
E com que o fogo da paixão ateio!

Funebulescamente a alma se atira
À luta das paixões, e, como a Aurora
Que ao beijo vesperal anseia e expira,

Desce para a alma o ocaso da Carícia
Ora em sonhos de Dor, supremos, e ora
Em contorções supremas de Delícia!

Publicações relacionadas

Pouco me Importa Pouco me Importa (Alberto Caeiro) Pouco me importa. Pouco me importa o ...
Poema do beco Poema do beco (Manuel Bandeira) Que importa a paisagem, a Glória, a baía, a...
Pobres das Flores Pobres das Flores (Alberto Caeiro) ...
Vidas Secas Vidas Secas (Graciliano Ramos) Resumo: Em nenhum outro romance Graciliano ...

Deixe uma resposta