Solte os cachorros

Print Friendly, PDF & Email

Solte os cachorros – trechos do livro (Adélia Prado)

” Pai que estais no céu e dentro do meu coração, inclinai vossos ouvidos para o meu sofrimento e tende piedade de mim que tenho casa de cimento e vidro e não posso dormir no campo sob um manto de estrelas.”

“Coisa dolorosa feita de barro e poeira, o homem no seu quarto, de noite, pelejando pra escrever no papel, com lápis, nó e tropeço, a dor do seu peito.”

“O mais triste no passarinho engaiolado é que ele ainda cante, ou assim, que dá na mesma: que é triste demais, por desgraçado e insolvente, o homem rir de si mesmo.”

“O mal de Pakinson ensinou nós todos a dançar.”

“Que graça tem o meu boteco prosperar se faltar alegria dentro da minha casa? Segue o fio da amargura das pessoas pra ver onde ele vai parar: esbarra no pai e na mãe.”

“Eu só quero dizer que se a gente esforçar pra ser pai e mãe com decência, parar de pensar na gente, pra incomodar mais com este que nós pusemos no mundo, eles vão dar conta de sofrer sem perder a esperança.”

Prado, Adélia – Solte os cachorros / Adélia Prado – São Paulo: Siciliano, 1991.ISBN 85-267-0398-6

Publicações relacionadas

Canto de agonia Canto de agonia (Augusto dos Anjos) Agonia de amor, agonia bendita! - Misto ...
Livros e flores Livros e flores/strong>(Machado de Assis) Teus olhos são meus livros. Que ...
Yo voy soñando caminos Yo voy soñando caminos (Antonio Machado) Yo voy soñando caminos de la tarde...
Em sonhos… Em sonhos... (Cruz e Souza) Nos Santos óleos do luar, floria Teu ...

Deixe uma resposta