O palácio da ventura

Print Friendly, PDF & Email

O palácio da ventura (Antero de Quental)

de Sonetos

Sonho que sou um cavaleiro andante.
Por desertos, por sóis, por noite escura,
Paladino do amor, busco anelante
O palácio encantado da Ventura!

Mas já desmaio, exausto e vacilante,
Quebrada a espada já, rota a armadura…
E eis que súbito o avisto, fulgurante
Na sua pompa e aérea formosura!

Com grandes golpes bato à porta e brado:
Eu sou o Vagabundo, o Deserdado…
Abri-vos, portas de ouro, ante meus ais!

Abrem-se as portas d’ouro com fragor…
Mas dentro encontro só, cheio de dor,
Silêncio e escuridão – e nada mais!

Publicações relacionadas

À Capela do Almeida À Capela do Almeida (Castro Alves) GRATO oásis do viajante, Terra de lindos ...
O elefante O elefante (Arnaldo Antunes) Tromba o elefante é o único animal que tem....
Noiturno do Adoescente Morto Noiturno do Adoescente Morto (Federico Garcia Lorca) Seis Poemas Galegos (193...
Aqui onde se espera Aqui onde se espera (Fernando Pessoa) Aqui onde se espera - Sossego, só sos...

Deixe uma resposta