Beleza morta

Print Friendly, PDF & Email

Beleza morta (Cruz e Souza)

De leve, louro e enlanguescido helianto
Tens a flórea dolência contristada…
Há no teu riso amargo um certo encanto
De antiga formosura destronada.

No corpo, de um letárgico quebranto,
Corpo de essência fina, delicada,
Sente-se ainda o harmonioso canto
Da carne virginal, clara e rosada.

Sente-se o canto errante, as harmonias
Quase apagadas, vagas, fugidias
E uns restos de clarão de Estrela acesa…

Como que ainda os derradeiros haustos
De opulências, de pompas e de faustos,
As relíquias saudosas da beleza.

Publicações relacionadas

O espectro O espectro (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Theophilo Dias Como es...
O ter deveres, que prolixa coi... O ter deveres, que prolixa coisa! (Álvaro de Campos) O ter deveres, que proli...
Minha terra tem palmares Minha terra tem palmares (Oswald de Andrade) Minha terra tem palmares Onde g...
Rosa Rilke Raimundo Correia Rosa Rilke Raimundo Correia (Paulo Leminski) Uma pálpebra, Mais uma, ...

Deixe uma resposta