Beleza morta

Print Friendly, PDF & Email

Beleza morta (Cruz e Souza)

De leve, louro e enlanguescido helianto
Tens a flórea dolência contristada…
Há no teu riso amargo um certo encanto
De antiga formosura destronada.

No corpo, de um letárgico quebranto,
Corpo de essência fina, delicada,
Sente-se ainda o harmonioso canto
Da carne virginal, clara e rosada.

Sente-se o canto errante, as harmonias
Quase apagadas, vagas, fugidias
E uns restos de clarão de Estrela acesa…

Como que ainda os derradeiros haustos
De opulências, de pompas e de faustos,
As relíquias saudosas da beleza.

Publicações relacionadas

Lirial Lirial (Augusto dos Anjos) Por que choras assim, tristonho lírio, Se eu sou ...
A vida escolástica A vida escolástica (Gregório de Matos) Mancebo sem dinheiro, bom barrete Med...
Flor de Açucena Flor de Açucena (Thiago de Mello Quando acariciei o teu dorso, campo de tri...
Un Poeta Sajón Un Poeta Sajón (Jorge Luis Borges) Tú cuya carne, hoy dispersión y polvo, P...

Deixe uma resposta