Poema com absorvências

Print Friendly, PDF & Email

Poema com absorvências (Adélia Prado)

Poema com absorvências no totalmeute
perplexas de Guimarães Rosa

Ah, pois, no conforme miro e vejo,
o por dentro de mim,
segundo o consentir
dos desarrazoados meus pensares,
é o brabo cavalo em as ventas arfando,
se querendo ir,
permanecido apenas no ajuste das leis do bem viver
comum,
por causa de uma total garantia se faltando em quem
m`as dê.
Ad’ formas que em tréguas assisto e assino
e o todo exterior desta minha pessoa recomponho.
Porém chega o só sinal mais leve
de que aquilo ou isso é verdadeiro
pra a reta eu alimpar com o meu brabo cavalo.
Ara! que eu não nasci pra permanência desta duvidação,
mas só para o ser eu mesmo, o de todo mundo desigual,
afirmador e conseqüente, Riobaldo, o Tatarana.
lxi!

Publicações relacionadas

Sonetos ao Pai Sonetos ao Pai (Augusto dos Anjos) I ...
Barrio sin luz Barrio sin luz (Pablo Neruda) ¿Se va la poesía de las cosas o no la puede c...
Ode ao Burguês Ode ao Burguês (Mário de Andrade) Eu insulto o burgês! O burguês-níquel, o ...
Garoto Garoto (Vladmir Maiakowski) Tradução de E. Carrer...

Deixe uma resposta